A luta para proibir 'testes de virgindade' nos EUA após rapper dizer que os exige da filha de 18 anos

Família do rapper TI Direito de imagem Getty Images
Image caption A vida familiar do rapper T.I foi narrada no reality show 'T.I. & Tiny: The Family Hustle'

Já foi apelidada de #HymenGate a polêmica em torno do rapper americano T.I., após ele ter anunciado que acompanha a filha Deyjah Harris, de 18 anos, ao ginecologista para "verificar seu hímen" uma vez por ano.

Ele também elogiou o trabalho rápido do médico: "[Ele] me entrega os resultados rapidamente".

Agora, os legisladores do Estado de Nova York estão tentando proibir o "teste de virgindade" — a prática de verificar se o hímen de uma mulher ou menina foi rompido, a fim de determinar se ela teve relações sexuais.

Violência contra a mulher

Direito de imagem Getty Images
Image caption Os comentários de T.I. sobre ter verificado o hímen de sua filha de 18 anos todos os anos provocaram polêmcia sobre a prática

"Fiquei horrorizada", disse Michaelle Solages, a deputada democrata do Estado de Nova York que está pressionando pelo projeto de lei para erradicar a prática.

"É uma forma de violência contra mulheres e meninas", disse ela à BBC.

"Os comentários de T.I. e o exame que ele faz em sua filha são inaceitáveis. Passa uma mensagem de que as mulheres são uma propriedade, e isso é errado", disse Solages.

Um projeto de lei semelhante foi apresentado no Senado estadual, onde está em fase de tramitação em comissões.

"Essa prática, como descrita, é perturbadora, não tem valor médico real e não deve ser permitida neste Estado, nem em nenhum Estado", disse Melissa DeRosa, secretária do governador e presidente do Conselho Estadual de Mulheres e Meninas.

O que diz o projeto de lei?

Direito de imagem Getty Images
Image caption A legisladora Michaelle Solages ficou 'chocada' com as declarações de T.I.

O projeto de lei de Solages, que ela diz ter apoio bipartidário, será debatido em janeiro.

Se aprovado, a prática se tornaria ilegal e qualquer médico que realizar o exame perderá sua licença.

Os médicos que o realizem também poderão sofrer penalidades ou processos criminais — se o procedimento for realizado fora de uma instalação médica, será considerado abuso sexual.

No momento, não há leis federais ou estaduais que proíbam a prática nos Estados Unidos.

Teste invasivo

Embora os testes de virgindade ainda sejam comuns em pelo menos 20 países — de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) —, ele não tem relevância médica e é frequentemente considerado doloroso, humilhante e traumático para as mulheres.

Os testes de virgindade também são chamados de "teste dos dois dedos" porque o praticante insere dois dedos na vagina da mulher para verificar se o hímen está intacto.

Especialistas em saúde dizem que isso não apenas não é científico, prejudicial e uma violação dos direitos humanos de uma mulher — também não faz sentido: não é possível distinguir um hímen "virgem" de um hímen "não-virgem". Além disso, o teste pode causar danos físicos e à saúde mental.

A OMS e as áreas de Direitos Humanos e Mulheres da ONU condenaram a prática como "medicamente desnecessária" e pedem uma proibição global.

"O teste de virgindade está enraizado em sistemas arraigados de discriminação contra mulheres e meninas", diz a OMS, e "reforça ainda mais as normas socioculturais que perpetuam a desigualdade das mulheres, incluindo visões estereotipadas da moralidade e sexualidade das mulheres, e serve para exercer controle sobre as mulheres e meninas".

Em algumas culturas, as mulheres precisam provar que são virgens antes de poderem se casar.

Educação sexual

O rapper T.I., um músico de 39 anos que ganhou três Grammys e cujo nome real é Clifford Harris, fez seus comentários enquanto participava de um podcast americano chamado Ladies Like Us.

Quando lhe perguntaram sobre educação sexual para seus filhos, ele disse: "Não apenas tivemos 'a conversa', fazemos consultas anuais ao ginecologista para verificar seu hímen [de Deyjah Harris]. Sim, eu vou com ela. Seu hímen ainda está intacto".

No programa, foi apontado que o hímen de uma mulher pode ser rompido fora da atividade sexual.

TI respondeu: "Então eles [médicos] vêm e dizem: 'Bem, eu só quero que você saiba que há outras maneiras além do sexo de romper o hímen, como andar de bicicleta, atletismo, cavalgadas e outras formas de atividade física'. Então, eu digo: 'Olha, doutor, ela não anda a cavalo, não anda de bicicleta, não pratica esportes. Basta verificar o hímen, por favor, e me entregue os resultados rapidamente'."

Os médicos dizem que, embora um hímen possa ser esticado ou rasgado durante o sexo, ele também pode rasgar durante a atividade física ou ao usar absorventes internos.

Além disso, é preciso levar em conta que "nem todas as meninas nascem com hímen", diz o Colégio Americano de Obstetras.

Um gosto pela polêmica

Direito de imagem Getty Images
Image caption Tiny e T.I. recentemente interromperam o processo de divórcio

Não é a primeira polêmica envolvendo T.I., que tem seis filhos de três mulheres diferentes.

Ele cumpriu dois mandados de prisão por porte de armas e drogas.

Além disso, foi acusado de ser infiel e desrespeitoso com sua esposa Tameka Dianne Harris — conhecida como Tiny —, uma cantora e compositora americana.

Em outubro de 2015, ele também foi criticado por seus comentários sobre então pré-candidata presidencial democrata Hillary Clinton, quando disse: "Acho que seria possível eleger o monstro do Lago Ness eleito antes de eleger uma mulher".

"Não quero ser sexista, mas não posso votar numa mulher como líder do mundo livre (...) em qualquer outra posição que exista, acho que uma mulher poderia se sair bem. Mas presidente?"

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas