Por que vítimas de incêndios estão iradas com premiê da Austrália: 'Não quero apertar sua mão'

Scott Morrison mova a mão de uma mulher em Cobargo, New South Wales Direito de imagem Reuters
Image caption Morrison foi criticado na internet por forçar uma mulher a apertar sua mão

"Eu realmente não quero apertar sua mão."

"Você não vai conseguir nenhum voto aqui, parceiro. Você está fora."

"E as pessoas que morreram, senhor primeiro-ministro? E aquelas que não têm para onde ir?"

Em visita a uma cidade devastada por incêndios na última quinta-feira (2), o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, foi duramente questionado pela população local.

Em Cobargo, no Estado de New South Wales, a raiva era palpável. Mas mais constrangedores — e, por isso, alvo de maior atenção — foram dois encontros menos barulhentos.

Em um deles, Morrison se aproximou de uma mulher e perguntou a ela: "Como vai?". Quando ela evitou apertar sua mão, ele se abaixou e segurou a mão dela, forçando um estranho aperto de mãos.

"Eu só vou cumprimentá-lo se você der mais dinheiro ao RFS [o corpo de bombeiros rural]. Tantas pessoas perderam suas casas", disse ela.

"Eu entendo", ele respondeu. Enquanto ele se afastava, ela acrescentou: "Precisamos de mais ajuda".

Depois que um bombeiro também se recusou a apertar sua mão, Morrison disse a seus assessores: "Digam àquele rapaz que eu sinto muito. Tenho certeza de que ele está apenas cansado". Ele, então, ouviu de uma autoridade local: "Não, não, ele perdeu sua casa".

As interações, todas filmadas e bastante compartilhadas online, voltaram a colocar Morrison no centro da ira popular pela forma como ele vem lidando com os incêndios florestais sem precedentes que atingem o país.

O primeiro-ministro é acusado de estar sendo negligente perante a crise — passou, inclusive, alguns dias de férias no Havaí — e também tem sido criticado por subestimar os efeitos do aquecimento global nos incidentes.

Incêndios do tamanho de pequenos países

Desde setembro, os incêndios já deixaram 19 mortos, destruíram mais de 1.200 casas e devastaram milhões de hectares. Embora a atenção esteja centrada em New South Wales, o Estado mais atingido, todas as regiões do país foram afetadas.

A fumaça se espalhou por cidades do sudeste, a área mais populosa da Austrália, prejudicando a qualidade do ar para milhares de pessoas. Estima-se que milhões de animais tenham morrido, e que o custo econômico do desastre seja gigantesco.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo
Bombeiros atravessam túnel de fogo durante incêndio florestal na Austrália

O apoio popular aos bombeiros — em sua maioria voluntários —, que vêm lutando contra chamas em regiões cujo tamanho se assemelha ao de pequenos países, tornou-se unanimidade no país. Três deles morreram em serviço.

Chefes dos corpos de bombeiros locais, como o comissário Shane Fitzsimmons em NSW, tornaram-se os rostos da crise.

Para os críticos do primeiro-ministro, esses agentes são um exemplo de liderança. Nesta sexta (3), um membro destacado do partido de Morrison fez uma crítica pública à sua atuação.

"As únicas duas pessoas que estão oferecendo alguma liderança neste momento são Shane Fitzsimmons e [a governadora de New South Wales] Gladys Berejiklian", disse Andrew Constance, secretário estadual dos transportes.

Ao comentar as interações do primeiro-ministro com a população, Constance afirmou: "Para ser sincero, ele provavelmente teve a recepção que mereceu".

O que causou a ira da população?

No início da crise, as críticas se centravam na relutância de Morrison em debater como a mudança climática está piorando os incêndios florestais —uma conexão admitida pelo Serviço de Meteorologia da Austrália.

Embora tenha, desde então, admitido a contribuição do fenômeno, o líder conservador ainda sustenta que não há ligação direta entre o fogo e suas políticas para o clima.

O tema continua causando controvérsia em decorrência da dependência energética da Austrália na mineração de carvão.

Mas, conforme o fogo se espalhava, Morrison passou a ser acusado de "desaparecer" ocasionalmente. No mês passado, tirou férias no Havaí com a família enquanto os incêndios se intensificavam —ele se desculpou, mais tarde, pela "grande ansiedade" causada pela viagem.

Ao falar em um evento de críquete no dia do Ano Novo, Morrison foi considerado insensível ao dizer que os australianos se reuniriam em torno de suas TVs para serem "inspirados pelos grandes feitos de nossos atletas".

Parte da população pede ainda que o governo direcione mais recursos para os corpos de bombeiros do país, amplamente não-remunerados, citando uma pressão extraordinária sobre os recursos e argumentando que comunidades menores são desfavorecidas.

Um grupo de ex-chefes dos serviços defende que o país precisa de uma nova estratégia de longo prazo contra incêndios, e criticam o primeiro-ministro por se recusar a encontrá-los.

O que diz Morrison?

Depois de dizer inicialmente que os bombeiros estão trabalhando "porque querem", Morrison prometeu compensar financeiramente os voluntários que faltaram a seus trabalhos para ajudar, e disse que direcionará 11 milhões de dólares australianos (US$ 7,7 milhões) para financiar aviões que combatam o fogo.

Ele tem recusado os novos pedidos de recursos, mas elogia a atuação dos bombeiros com frequência. Para o político, uma seca prolongada é a principal razão da proporção tomada pelos incêndios.

Quando questionado nesta sexta-feira sobre o motivo de estar sendo contestado em público, ele afirmou à rádio 3AW: "As pessoas estão tristes e com raiva. Se estão nervosas comigo ou com a situação, o que importa é que estão sofrendo".

Ele defende que a Austrália vai cumprir suas metas climáticas — afirmação contestada pelas Nações Unidas e outras entidades —, mas diz que medidas adicionais não podem ocorrer às custas de cortes irresponsáveis de vagas de trabalho na indústria de combustíveis fósseis.

Morrison pediu aos australianos que não cedam ao pânico e já disse repetidamente que cada Estado tem de ser responsável por sua estratégia de emergência — a melhor tática é deixar que cada um faça seu trabalho, disse.

Seus apoiadores dizem que ele não pode ser responsabilizado por esse tipo de desastre natural que sempre atingiu a Austrália, nem consertar o problema com mudanças bruscas e reativas nas políticas públicas.

'Você será julgado'

Morrison foi reconduzido ao cargo em maio após vitória surpreendente nas urnas, levando-o a ser elogiado por muitos como um político perspicaz e instintivo. Mas, para alguns, sua reação aos incêndios despertou incredulidade.

"Estamos assistindo à destruição de um líder político, e dessa vez pelas suas próprias mãos", tuítou o comentarista político Barrie Cassidy. O também comentarista Hugh Riminton escreveu: "Nunca vi um primeiro-ministro tão publicamente desprezado durante um desastre nacional".

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo
Vista aérea de cidades afetadas pelo fogo

Nem todos os comentários, porém, foram tão críticos. O governador de Victoria, Daniel Andrews, um político trabalhista, agradeceu a Morrison pelo auxílio fornecido ao Estado. Liz Innes, prefeita de um condado perto de Cobargo, pediu desculpas ao primeiro-ministro em nome daqueles que o contestaram, segundo a ABC.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas