EUA x Irã: o que Brasil tem a ganhar ou perder ao apoiar Trump no conflito

Donald Trump Direito de imagem Reuters
Image caption Governo brasileiro vem adotando tom de apoio à operação determinada pelo presidente Donald Trump contra o Irã

Em mais uma demonstração de alinhamento com os Estados Unidos, o governo brasileiro vem adotando tom de apoio à operação determinada pelo presidente americano, Donald Trump, que matou o principal líder militar do Irã, o general Qasem Soleimani.

O Itamaraty divulgou uma nota na qual diz apoiar o que chama de "luta contra o flagelo do terrorismo" e condenou ataques recentes à Embaixada dos Estados Unidos em Bagdá, no Iraque. Depois, o presidente Jair Bolsonaro reiterou essa posição.

"Nós repudiamos terrorismo em qualquer lugar do mundo e ponto final. É um direito deles, como é o meu também", disse a jornalistas.

A mensagem do governo foi entendida pela comunidade diplomática como uma clara declaração de apoio do Brasil à ação militar dos Estados Unidos, a ponto de o Irã chamar a encarregada de negócios da Embaixada brasileira em Teerã para prestar explicações. Na linguagem diplomática, essa medida é uma manifestação de insatisfação de um país com outro.

Direito de imagem Divulgação/ Itamaraty
Image caption Embaixador brasileiro em Teerã, Rodrigo de Azeredo Santos, apresentando suas credenciais ao presidente do país, Hassan Rouhani, em 2017

Mas será que vale a pena para o Brasil mergulhar nesse conflito entre Estados Unidos e Irã?

A BBC News Brasil ouviu diplomatas com histórico de atuação no Oriente Médio e especialistas em relações internacionais para entender se o Brasil ganha ou perde ao escolher o lado do presidente Trump.

Segundo eles, o impacto pode ser sentido principalmente em três áreas: diplomática, de comércio e de segurança.

Ruptura da posição de neutralidade

A postura do governo Bolsonaro, de se posicionar num conflito que não diz respeito diretamente ao Brasil, destoa da tradição diplomática histórica do país, segundo diplomatas e especialistas.

No dia 3 de janeiro, quando mísseis americanos atingiram o comboio do general iraniano, que tinha acabado de desembarcar no Iraque, o Itamaraty divulgou uma nota que associava as atividades de Soleimani ao terrorismo.

"Ao tomar conhecimento das ações conduzidas pelos EUA nos últimos dias no Iraque, o governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo", dizia o texto.

Direito de imagem Divulgação/ Presidência da República
Image caption Especialistas dizem que postura do governo Bolsonaro, de se posicionar num conflito que não diz respeito diretamente ao Brasil, destoa da tradição diplomática histórica do país

Fontes diplomáticas brasileiras que já ocuparam postos no Oriente Médio disseram à BBC News Brasil que a nota reforça a tendência do atual governo de promover um alinhamento automático, ou seja, incondicional, com os Estados Unidos.

"Essa primeira frase da nota por si só já constitui uma formulação que nos compromete de forma claríssima com uma ação unilateral e que não tem amparo nenhum no Direito Internacional", disse à BBC News Brasil um diplomata com mais de dez anos de carreira, que não quis ser identificado na reportagem por temer retaliações.

Pelo Direito Internacional, uma ofensiva de um país, fora de seu território, contra um cidadão de outra nação, só se justifica se houver evidências de que ela era necessária para conter um ataque iminente.

Ao defender que o assassinato do general foi legal, Trump argumentou que Soleimani foi responsável por ataques contra forças apoiadas pelos americanos no Iraque. Além disso, os Estados Unidos classificam as Forças Quds — que operam as intervenções militares e de inteligência do Irã no exterior e que eram lideradas por Soleimani — como uma organização terrorista.

Mas a relatora especial das Nações Unidas para Execuções Extrajudiciais, a francesa Agnes Callamard, questionou a justificativa usada por Trump para a morte do general iraniano.

"Ele menciona que seu objetivo era 'dissuadir futuros planos de ataques iranianos'. Isso, no entanto, é muito abstrato. Futuro não é o mesmo que iminente, cuja prova é o que exigiria o Direito Internacional (para reconhecer a legalidade do ataque)", disse.

Callamard ainda acrescentou que a morte de outras pessoas no mesmo bombardeio que atingiu Soleimani foi "absolutamente ilegal".

O pesquisador da Universidade Harvard Hussein Kalout, especialista em relações internacionais no Oriente Médio, destaca que só Brasil e Israel manifestaram abertamente apoio à ação militar do presidente americano.

"A decisão do governo brasileiro é inédita. Em dois séculos de história diplomática nós nunca endossamos nenhuma decisão focada na clara transgressão do Direito Internacional. Nem os países europeus, principais aliados dos Estados Unidos, se manifestaram em apoio. Não foi o caso do Reino Unido, da França, da Alemanha, do Canadá...", disse à BBC News Brasil.

"Então, o Brasil ao endossar uma ação dessa natureza opta pelo isolamento."

E qual o custo diplomático dessa decisão?

Por muitos anos, o Brasil foi visto como um ator neutro nos conflitos do Oriente Médio. Isso ajudava o país a manter boas relações políticas e comerciais com "gregos e troianos". Ou melhor, com países de maioria islâmica, com Israel e com os Estados Unidos.

Direito de imagem AFP
Image caption O Irã foi o segundo maior comprador de milho brasileiro, quinto maior importador da soja e sexto maior comprador de carne bovina brasileira em 2019

Essa fama de conseguir dialogar com todos e de respeitar as posições da ONU fazia parte do chamado soft power brasileiro — como é chamada a capacidade que um país tem de influenciar decisões internacionais sem usar a força ou o poder econômico.

"O Brasil tinha um capital diplomático no Oriente Médio que permitia que ele conversasse com todas as partes. Ao adotar um alinhamento automático com os EUA e ao antagonizar com o Irã, você perde essa capacidade de interlocução", disse um embaixador à BBC News Brasil.

O professor de Relações Internacionais Carlos Gustavo Poggio, da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), também destaca que o prestígio do Brasil no exterior era um dos principais ativos do país em negociações comerciais e nos pleitos por postos de destaque em organismos internacionais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC) e a ONU.

"Outros países talvez não dependam tanto da sua própria imagem, a exemplo de países que são claramente párias internacionais como a Coreia do Norte, ou países que são grandes potências como Rússia e Estados Unidos", diz.

"Mas o Brasil, como potência média, tem como ativo importante a sua imagem. Se essa imagem passa a ser arranhada, o Brasil perde essa vantagem. É aquilo que nas relações internacionais a gente chama de soft power."

Por outro lado, ainda sob o ponto de vista diplomático, o que o governo brasileiro espera obter com as declarações de apoio aos Estados Unidos são favores do governo Trump na forma de concessões em acordos bilaterais. Mas não está claro, por enquanto, se isso vai realmente acontecer e se o Brasil fez algum pedido específico em troca de mais esse aceno aos Estados Unidos.

Impacto comercial

Outra dúvida levantada após o Brasil se indispor com o Irã com a nota divulgada pelo Itamaraty é se esse posicionamento poderá afetar o comércio brasileiro com o país persa.

No ano passado, o Brasil exportou um volume total de US$ 2,1 bilhões ao Irã. O saldo foi positivo pra balança comercial brasileira em pouco mais de US$ 2 bilhões. Isso significa que o país vendeu — muito mais — aos iranianos do que comprou deles.

Mas é ao analisar o impacto em setores agrícolas específicos que a relevância dessas trocas comerciais fica mais evidente. O Irã foi o segundo maior comprador de milho brasileiro, quinto maior importador da soja e sexto maior comprador de carne bovina brasileira em 2019, segundo dados do Ministério da Economia.

Para o professor Poggio, se as relações entre Brasil e Irã se deteriorarem, isso poderá afetar o setor exportador do Brasil. "O Irã pode promover embargos a produtos brasileiros. Num momento em que o Brasil tenta se integrar no mundo, o Irã é um mercado importante que, pragmaticamente, seria interessante o Brasil manter."

Já Hussein Kalout, de Harvard, argumenta que o Irã costuma adotar uma postura pragmática na relação comercial com outros países, mantendo o nível de importações mesmo quando há insatisfação no campo político.

Direito de imagem AFP
Image caption Funeral do general Soleimani teve oração liderada pelo próprio líder supremo do Irã, aiatolá Khamenei (na imagem, com microfone na lapela)

"Os iranianos sabem lidar com o que eu chamo de diplomacia ambivalente, um país que quer manter relações diplomáticas com outro, mas que ao mesmo tempo age como inimigo. Amigo-inimigo na mesma equação", explica.

"O Irã adota um mecanismo decisório na área comercial que é pragmático. Ele não costuma partir do ponto 1 ao 10 sem passar por etapas intermediárias. O primeiro ponto foi reagir à posição do Itamaraty chamando a diplomata brasileira em Teerã para prestar explicações", completa.

Nesta segunda-feira (6), Bolsonaro não quis se estender ao ser perguntado por jornalistas sobre como ficarão as relações com o Irã, mas afirmou que o Brasil vai manter o comércio com o país persa.

"Temos comércio com Irã e vamos continuar nesse comércio", disse.

Entrar na briga com o Irã ameaça a segurança de brasileiros?

Os diplomatas ouvidos pela BBC News Brasil disseram que estão receosos de que a decisão do Brasil de se posicionar no conflito entre EUA e Israel possa deixar cidadãos e diplomatas brasileiros que vivem no Oriente Médio em situação vulnerável.

Uma preocupação específica sobre segurança diz respeito a nações onde há forte atuação do Hezbollah, uma milícia xiita libanesa com fortes laços com o Irã. Entre os mortos pela ação americana, além de Soleimani, estão comandantes do Kataeb Hezbollah, grupo armado do Hezbollah no Iraque.

Direito de imagem Itamaraty
Image caption Especialista acha difícil que brasileiros sejam alvos de ataques violentos em resposta ao alinhamento do governo Bolsonaro com a administração Trump

Essa milícia xiita já ameaçou "se vingar" do governo americano e promover ataques para impedir fluxo de petróleo do Golfo Pérsico para os EUA. Já o governo iraniano ameaçou atingir "alvos americanos" no Oriente Médio. Por enquanto, não houve ameaça direta a países aliados dos Estados Unidos, mas alguns deles, como o Reino Unido, já emitiram alertas para que cidadãos evitem viajar para o Irã.

"Acho que o Irã tende a dar uma resposta que atinge fortemente não só os Estados Unidos, mas os aliados dos americanos. Se o Brasil é percebido como aliado forte dos Estados Unidos, claramente entra na mira das ações do governo iraniano", avalia Carlos Poggio.

Para ele, o mais provável é que a retaliação do Irã aos EUA não se apresente na forma de uma ação militar oficial, mas por meio de atentados promovidos por grupos e milícias apoiados pelos iranianos em diferentes países, como Líbano, Iraque, Iêmen e Síria.

Já Hussein Kalout acha difícil que brasileiros sejam alvos de ataques violentos em resposta ao alinhamento do governo Bolsonaro com a administração Trump.

"O efeito (na área de segurança) é nulo. O Brasil não é alvo, não é ameaça, não está no radar. Seria um grave erro se os governos daqueles países ou organizações daqueles países cometessem atos de violência contra representações brasileiras. Não creio que isso acontecerá."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas