Coronavírus: por que a OMS diz que mundo está em 'território desconhecido' com nova doença

Homem de máscara em Guarulhos

Crédito, AFP

Legenda da foto,

A OMS insiste que medidas de contenção ainda são a forma de combate mais eficaz

O mundo está em "território desconhecido" com o surto de novo coronavírus, afirmou nesta segunda-feira (02/03) a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os médicos "nunca haviam visto um patógeno respiratório capaz de ser transmitido a toda uma comunidade", disse o chefe da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

As mortes em todo o mundo já passaram de 3.000. A maioria está na China, mas o número de novas infecções sendo registrado já é maior fora da China do que dentro.

No entanto, o Ghebreyesus insistiu: "Ainda podemos conter esse vírus".

Ele disse que o avanço da doença covid-19 — causada pelo novo vírus — globalmente não é uma "via de mão única" e pode ser combatido se os países agirem de maneira rápida e eficaz, começando com medidas de contenção.

"A única opção que temos é agir imediatamente", disse ele.

Um dos países mais afetados fora da China, a Itália, viu um salto no número de mortos de 34 para 52 na segunda-feira.

O que mais disse a OMS?

O principal conselho da organização é que cada país olhe para a sua própria situação, pois não há um meio uniforme de lidar com o surto.

"Cada país deve ter sua própria abordagem, mas deve começar com a contenção", afirmou Ghebreyesus.

Este é um "vírus único com características únicas" e a OMS já esperava amplo contágio, mas as medidas de contenção parecem ter funcionado, disse o médico.

Dos 62 países que relatam casos de infecção, 38 deles tiveram 10 ou menos confirmados, acrescentou.

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Israel montou locais de votação exclusivos para pessoas em quarentena nas eleições gerais desta segunda-feira

"Cerca de oito países não registraram novos casos nas últimas duas semanas e foram capazes de conter o surto", afirmou. A China também mostrou que a contenção era possível mesmo em países com um grande número de casos.

A OMS continuará monitorando se o surto deve ser qualificado como uma pandemia, disse Ghebreyesus.

Coreia do Sul, Itália, Irã e Japão continuam sendo a maior preocupação. Um membro da equipe da OMS foi contaminado no Irã, embora os sintomas dele sejam leves, disse Ghebreyesus.

Como está a situação global?

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
As Estranhas Origens das Guerras Culturais

Adaptação de premiado podcast da BBC ‘Things Fell Apart’, de Jon Ronson.

Episódios

Fim do Podcast

Atualmente, existem quase 90.000 casos em todo o mundo, embora a grande maioria — mais de 90% — permaneça na China e a maioria na Província de Hubei, onde o vírus se originou no final do ano passado.

Dos quase 8.800 casos fora da China, 81% se concentram em quatro países — Irã, Coréia do Sul, Itália e Japão.

Nesta segunda-feira, a Itália anunciou oficialmente que o número de mortos aumentou em 18, chegando a 52. No país, há 1.835 casos confirmados, a maioria deles nas áreas do norte da Lombardia e Vêneto.

O Irã registrou outras 12 mortes, elevando o total para 66. Entre elas, Mohammad Mirmohammadi, um consultor de alto escalão do líder supremo do país, Ali Khamenei, informou a mídia iraniana.

Portugal, Islândia, Jordânia, Tunísia, Armênia, Letônia, Senegal e Andorra também relataram seus primeiros casos confirmados na segunda-feira.

Atéa publicação deste texto, seis pessoas haviam morrido nos EUA, no Estado de Washington, segundo a imprensa americana.

O presidente Donald Trump disse ter pedido às empresas farmacêuticas para acelerar o trabalho em busca de uma vacina, enquanto o governador de Nova York, Andrew Cuomo, alertou que era "inevitável" que mais pessoas pegassem o vírus na cidade.

No Reino Unido, onde há 40 casos confirmados, o primeiro-ministro, Boris Johnson, disse que a situação "provavelmente se tornará mais significativa nos próximos dias e semanas", depois de realizar uma reunião do comitê de emergência.

Além disso, o Centro Europeu de Controle de Doenças confirmou que o nível de risco na UE aumentou de "moderado" para "moderado a alto". O órgão esclareceu um comentário da presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, que disse que o nível havia sido alterado para "alto".

A economia global pode crescer em seu ritmo mais lento desde 2009 este ano devido ao surto, alertou a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os mercados viveram uma montanha-russa na Europa e nas negociações iniciais em Nova York na segunda-feira. Preocupações com o surto na semana passada eliminaram mais de US$ 5 bilhões das ações mundiais

Catar, Equador, Luxemburgo, República Checa e Irlanda estão entre os países que confirmaram seus primeiros casos no fim de semana.

Como está a situação na Coreia do Sul?

Na segunda-feira, o país registrou mais duas mortes, elevando o total para 28.

Cerca de 60% dos mais de 4.000 casos confirmados no país são membros da seita religiosa da Igreja de Shincheonji de Jesus. Acredita-se que os membros tenham se infectado e depois viajado pelo país.

O líder da seita, Lee Man-hee, ajoelhou-se e curvou-se em uma entrevista coletiva para pedir desculpas.

"Embora não tenha sido intencional, muitas pessoas foram infectadas", disse o líder de 88 anos. "Empenhamos nossos maiores esforços, mas não conseguimos impedir tudo."

Os promotores da Coreia do Sul foram convidados a investigar Lee sob possíveis acusações de negligência grave.

E na China?

A China registrou mais 42 mortes, todas em Hubei. A província registrou mais de 90% das mortes globais.

Apenas oito dos novos casos relatados de infecção estavam fora de Hubei, indicando que a contenção estava funcionando.

Os 206 novos casos registrados em todo o país no domingo representaram o menor número de casos diários desde 22 de janeiro.

Um porta-voz da Comissão Nacional de Saúde da China disse que a próxima preocupação são "os riscos trazidos pela retomada da vida cotidiana" em algumas das regiões afetadas.

Quão letal é a covid-19?

A OMS diz que a doença parece afetar mais seriamente pessoas com mais de 60 anos e pessoas que já estão doentes.

Na primeira grande análise de mais de 44.000 casos da China, a taxa de mortalidade foi 10 vezes maior entre os idosos do que entre pessoas de meia idade.

Mas a maioria dos pacientes apresenta apenas sintomas leves e a taxa de mortalidade parece estar entre 2% e 5%, segundo a OMS.

Em comparação, a gripe sazonal tem uma taxa de mortalidade média de cerca de 0,1%, mas é altamente infecciosa — com até 400.000 pessoas morrendo a cada ano.

Outras cepas de coronavírus, como os causadores da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) e da Síndrome Respiratória no Oriente Médio (Mers), têm taxas de mortalidade muito mais altas que o surto atual, pelos dados disponíveis até o momento.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!