Individualismo e otimismo irrealista dificultam combate ao coronavírus em países ocidentais, diz pesquisador

Pessoas assistem ao pronunciamento de Emmanuel Macron na TV Direito de imagem AFP
Image caption O presidente francês, Emmanuel Macron, decretou o confinamento da população no país a partir desta terça

O individualismo e o "otimismo irrealista" em relação aos riscos de contágio dificultam a prevenção ao coronavírus em países ocidentais, avalia o psicólogo e sociólogo Jocelyn Raude, professor da Escola de Altos Estudos de Saúde Pública de Rennes, na França.

O comportamento dos franceses em relação à epidemia da covid-19 levou o presidente Emmanuel Macron a decretar, na noite do último dia 16, o confinamento da população por um período de pelo menos 15 dias. Apesar das restrições impostas no final de semana que antecedeu o anúncio da quarentena, como o fechamento de restaurantes, bares, cinemas e comércios não essenciais, muitos franceses continuaram a viver normalmente, passeando em parques e ruas do país e evitando o isolamento social recomendado.

"Enquanto se alertava sobre a gravidade da situação, vimos pessoas se reunirem em parques, em feiras lotadas e em restaurantes e bares que não respeitaram a ordem de fechamento. Como se, no final das contas, a vida não tivesse mudado", disse Macron em discurso, no qual repetiu seis vezes que a "a França está em guerra" contra o coronavírus.

Na avaliação de Raude, que é especialista em doenças infecciosas emergentes, existem diferenças culturais que explicam a falta de preocupação demonstrada por parte da população, apesar do número crescente de casos de coronavírus na França.

Até 21/3, a França registrou cerca de 20 mil casos, sendo mais de 3,1 mil nas últimas 24 horas, e 862 mortes (186 a mais em apenas um dia). Há quase 8,7 mil pessoas hospitalizadas, sendo mais de 2 mil em estado grave, segundo dados do ministério da Saúde francês.

Direito de imagem Getty Images

"Na Europa, as sociedades são mais individualistas, e vemos os efeitos disso nessa pandemia. Em países da Ásia, o bem-estar coletivo é mais importante do que o comportamento individual", diz o psicólogo francês, que também desenvolve trabalhos em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, no Brasil, sobre a zika.

Ele acrescenta que em situações de tensão social na França, como guerras, atentados e grandes greves, se cria um sentimento de solidariedade nacional no país, que deve ressurgir na atual epidemia, reduzindo o individualismo. "A solidariedade é ativada em momentos extremos e tende a se dissipar depois. Já na Ásia, o espírito coletivo é algo mais permanente."

A forma de prevenção também é focada em ações individualistas em países ocidentais como a França, onde é raro ver pessoas usando máscaras, mesmo em períodos de surto de gripes sazonais, por exemplo. A proteção coletiva é bem mais difundida na Ásia, afirma Raude.

"O uso de máscaras serve para proteger os outros quando estamos contaminados. Isso é algo pouco frequente na França, enquanto na Ásia é praticamente banal. Não temos consciência de que a proteção coletiva é tão importante quanto ou até mais do que a individual" diz o psicólogo, acrescentando que essa visão "deverá mudar radicalmente no país com essa nova epidemia."

Outro fator que explicaria o descumprimento, até este último fim de semana, das recomendações de isolamento social, é o que Raude chama de "otimismo irrealista" face a ameaças, um fenômeno observado em todas as culturas.

"As pessoas tendem a subestimar os riscos para si", afirma Raude, citando o exemplo do fumante que não pensa ser mais vulnerável do que outros a desenvolver um câncer.

Um estudo realizado por ele com dados de quatro países europeus (França, Itália, Reino Unido e Suíça), antes do forte aumento do número de casos de coronavírus na Europa, revelou uma grande diferença entre as projeções de especialistas sobre a evolução da epidemia no mundo e a percepção da população em relação aos riscos reais.

Mais da metade dos entrevistados estimou ser pouco provável a possibilidade de ser contaminado. Os franceses se mostraram um pouco mais otimistas do que os outros europeus nessa pesquisa.

Segundo Raude, que prepara um novo estudo sobre o assunto, após a propagação da Covid-19 pela Europa, a percepção do risco vem evoluindo, e deverá haver grandes mudanças em relação ao comportamento coletivo.

As medidas mais drásticas adotadas para combater a propagação do vírus na França e em outros países do continente devem mudar o sentimento de invulnerabilidade das pessoas, diz ele. "A partir de agora, com medidas coletivas, deve haver uma tomada de consciência."

Na França, diz ele, houve também um problema de falta de visibilidade em relação à estratégia inicial do governo no combate à epidemia, que pode ter contribuído para a falta de disciplina, com o não cumprimento das recomendações para evitar o convívio social. "As escolas são fechadas, mas as eleições municipais foram mantidas", afirma Raude.

O primeiro turno das eleições municipais ocorreu no último domingo, no dia seguinte à decisão de fechar comércios não essenciais, e foi marcado por um recorde de abstenção, de 56%. O presidente Macron anunciou na segunda-feira o adiamento do segundo turno do pleito, inicialmente previsto para o próximo domingo, dia 22.

Ainda segundo Raude, é provável que a percepção dos europeus em relação à gravidade do coronavírus siga a trajetória de outras doenças emergentes e seja equivalente ao que foi observado na Guiana Francesa e nas Antilhas durante as epidemias de zika e chikungunya.

No Brasil, onde manifestações de apoio ao governo e contra o Congresso foram realizadas no domingo e praias pelo país ficaram lotadas, Raude afirma que há uma "banalização das doenças emergentes", decorrentes das diferentes epidemias dos últimos anos, como a dengue e a zika.

"O Brasil ainda é pouco afetado pelo coronavírus na comparação com outros países." Segundo ele, o comportamento dos brasileiros deve mudar se o número de contaminações e mortes aumentar no país.

Direito de imagem Nathanael Mergui
Image caption Para Jocelyn Raude, comportamento dos brasileiros deve mudar se o número de contaminações e mortes aumentar no país

Atestado

Na França, Macron insistiu em seu discurso na TV, visto por mais de 35 milhões de pessoas, para que a população "fique em casa e limite seus contatos". As medidas de confinamento, como as adotadas pela Itália e Espanha, são inéditas na França em tempos de paz.

Os únicos deslocamentos autorizados, que necessitam de um atestado (disponível no site do ministério do Interior) são para os locais de trabalho — quando não é possível o trabalho remoto e nesse caso também é necessário um documento da empresa — ou para efetuar compras de primeira necessidade, ir ao médico, por razões familiares, como cuidar de crianças ou idosos, e saídas curtas, perto de casa, nesse caso para fazer uma atividade física individual ou levar o animal de estimação para passear.

Para cada saída é necessário ter uma autorização, justificando a razão para ela.

Quem não puder justificar o deslocamento está sujeito à multa de 135 euros (R$ 746). Mais de 100 mil policiais serão mobilizados para controles nas ruas, segundo o Ministério do Interior.

O governo também decidiu reduzir o número de trens em circulação no país. Para evitar que grupos se reúnam ao ar livre, como ocorreu até o último domingo, a Prefeitura de Paris fechou jardins e parques da cidade.

Desde o início da quarentena, na terça-feira, a polícia francesa já aplicou quase 92 mil multas por deslocamentos não autorizados, o que representa cerca de 12,4 milhões de euros, informam as autoridades.

No último domingo, os deputados franceses aprovaram o endurecimento das sanções pelo não respeito da quarentena: no caso da reincidência, a multa será de 1,5 mil euros (R$ 8,4 mil) e, se houver quatro violações das regras no período de 30 dias, ela será de 3,7 mil euros (R$ 20,7 mil), além da pena de seis meses de prisão.

Os abusos em relação às regras de deslocamentos autorizados levaram o governo francês a reforçar, na noite desta segunda-feira, as regras da quarentena, chamada de confinamento no país. As saídas para uma prática esportiva individual, uma vez por dia, devem se limitar a uma distância máxima de um quilômetro da residência e pelo período de uma hora. Isso porque alguns franceses estavam usando roupas de ginástica para tentar justificar passeios pela cidade.

O não respeito da distância de pelo menos 1 metro entre as pessoas nos comércios também levou o governo a proibir, nesta segunda-feira, as feiras ao ar livre, exceto em pequenas localidades onde elas são o principal sistema de compras de alimentos.

Nos últimos dias, a Prefeitura de Paris fechou ao público as margens do Sena, o jardim do Champs-de-Mars, onde fica a Torre Eiffel e os gramados da esplanada dos Invalides, onde muitas pessoas continuavam circulando.

A quarentena na França, prevista inicialmente pelo menos até o final de março, "pode durar ainda algumas semanas", anunciou na noite desta segunda-feira o primeiro-ministro Édouard Philippe em entrevista a um jornal da TV.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas