Por que um dos principais responsáveis pela venda do WhatsApp ao Facebook diz se arrepender do negócio

Um homem olha com surpresa para um telefone celular

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

WhatsApp é a segunda maior plataforma do Facebook.

O indiano Neeraj Arora ajudou a intermediar a venda do WhatsApp para o Facebook por cerca de US$ 22 bilhões em 2014. Oito anos depois, no entanto, o ex-diretor comercial do WhatsApp diz que se arrepende de ter contribuído para o negócio.

"Ninguém sabia, a princípio, que o Facebook se transformaria em um monstro de Frankenstein devorando dados de usuários", escreveu Arora em uma série de postagens em sua conta no Twitter em 4 de maio.

"Hoje, o WhatsApp é a segunda maior plataforma do Facebook (ainda maior que o Instagram ou o FB Messenger). Mas é uma sombra do produto em que colocamos nossos corações e queríamos construir para o mundo", disse Arora.

O WhatsApp foi fundado pelo ucraniano-americano Jan Koum e pelo americano Brian Acton em 2009, como um aplicativo que permitia a comunicação internacional entre usuários, com o pagamento de um dólar para baixá-lo, lembrou Arora.

"Para pessoas (como eu) com parentes em vários países, o WhatsApp foi uma forma de se manter conectado, sem pagar SMS de longa distância ou taxas de ligações", disse ele.

Quando a negociação começou, o Facebook concordou com certas condições inabaláveis para os fundadores do WhatsApp: não usar informações do usuário para mineração de dados (explorar dados à procura de padrões consistentes), não publicar anúncios ou implementar rastreamento entre plataformas, explicou Arora.

Na época do negócio, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, descreveu os serviços do WhatsApp como "incrivelmente valiosos", em um comunicado anunciando o acordo.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

WhatsApp foi vendido ao Facebook por cerca de US$ 22 bilhões

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
BBC Lê

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Fim do Podcast

Ele lembrou que o Facebook abordou o WhatsApp com "uma oferta que parecia uma parceria", baseada em "suporte completo de criptografia de ponta a ponta, sem anúncios, total independência nas decisões de produtos e uma vaga no conselho para Jan Koum".

No entanto, "em 2017 e 2018, as coisas começaram a parecer muito diferentes", disse.

O ex-diretor comercial lembrou que em 2018 "os detalhes do escândalo Facebook/Cambridge Analytica vieram à tona", e o cofundador do WhatsApp, Brian Acton, "enviou um tuíte que chocou o estrato ou esfera das redes sociais".

"Chegou a hora. #deletefacebook", publicou Acton em sua conta pessoal em março de 2018 para apoiar a condenação contra o Facebook por ter permitido que a consultoria britânica Cambridge Analytica coletasse dados de milhões de usuários da rede social sem seu consentimento e uso para projetar propaganda política.

A empresa teria tido acesso ao volume de dados ao lançar um aplicativo de teste psicológico na rede social. Aqueles usuários do Facebook que participaram do teste acabaram por entregar à Cambridge Analytica não apenas suas informações, mas os dados referentes aos amigos do perfil.

Já em 2022, Neeraj Arora escreveu: "As empresas de tecnologia precisam admitir quando fizeram algo errado". E concluiu o fio no Twitter dizendo que não é o único que lamenta que o WhatsApp tenha se tornado parte do Facebook.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!