Algumas pessoas me fazem sentir em casa, outras não’, diz senegalesa que sustenta família na África trabalhando no Rio
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

'Algumas pessoas me fazem sentir em casa, outras não’: senegalesa sustenta família na África trabalhando na ruas do Rio

Amina Ngom veio do Senegal há 6 anos para tentar sustentar a família, que ficou em seu país de origem. Muçulmana e separada do marido, ela ganha a vida trabalhando como vendedora nas ruas do Rio. Agora, pretende trazer os filhos para o Brasil.

Nos últimos anos, Amina tem mantido a família no Senegal - um casal de filhos, mãe e sobrinhos - com a venda de artesanato africano.

Recentemente, tentou alugar uma banca de jornal vazia e montar uma loja. Mas ela conta que o dono, ao saber do novo propósito do local, retirou os produtos de lá.

"Ele disse: 'aqui não é África para vender seu artesanato africano'. Mesmo com eu pagando, ele tirou minhas coisas de lá", diz Amina, que continua instalada na calçada ao lado da banca.

A história de Amina faz parte da série #Olhares, que traz depoimentos de estrangeiros sobre o Brasil. Os vídeos serão publicados ao longo dos Jogos.

No próximo episódio, o maestro americano que comanda a Orquestra Sinfônica Nacional pede que o Brasil exporte mais música, para além de Tom Jobim e Heitor Villa-Lobos.

*Por Rodrigo Pinto e Elisa Kriezis, do Rio de Janeiro para a BBC Brasil.