Estuprado aos 14 anos por líder religioso, indiano fala sobre a dor e a vergonha que o calaram até a idade adulta
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Estuprado aos 14 por líder religioso, indiano fala sobre dor e vergonha que o calaram até idade adulta

Aviso: Esse vídeo tem conteúdo de violência sexual que pode ser um gatilho para estresse e ansiedade

“Eu tinha 14 anos. Era tarde da noite. Sem usar proteção, ele me penetrou.”

O relato é de um homem indiano de 31 anos de idade que resolveu denunciar seu estuprador.

Ele tinha 14 anos quando foi estuprado por um líder religioso de sua comunidade – para quem a família recorria para pedir bênção.

A vítima conta que, para garantir que “não doesse tanto” quando o seu estuprador atacasse novamente, ele usou os dedos para penetrar-se continuamente por dois dias.

“Foi tão dolorido que por quase duas semanas eu não consegui andar direito”, diz.

“É muito triste que nenhum dos membros da minha família, parentes, amigos ou professores foram capazes de ver que algo estava errado comigo.”

"Eu acabei indo lá (para a casa do líder religioso) por quase um ano. Fui estuprado três vezes. Quando eu penso sobre isso agora, sempre fico arrepiado. O que aconteceu me deixa muito bravo. Às vezes eu acordo à noite e bato nas paredes com muita força…”, diz, interrompendo a fala ao se emocionar. “Me desculpe.”

"Durante esses 14 anos, passei por muitos traumas. Me sentia sem esperança alguma. Senti muita culpa e vergonha, embora eu não tivesse feito nada de errado.”

Na Índia, uma criança é abusada sexualmente a cada 15 minutos. Cerca de 36.022 casos de abuso infantil foram registrados em 2016.

"Infelizmente, em uma sociedade como a nossa, é a vítima que se sente envergonhada, em vez do criminoso."

Tópicos relacionados