Como se produz a menstruação, que ainda é tabu apesar de ocorrer a mais da metade da população mundial
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Como se produz a menstruação, que ainda é tabu apesar de ocorrer a mais da metade da população mundial

O ciclo menstrual é um fenômeno tão natural quanto respirar ou digerir, e acontece uma vez por mês com mais da metade da população mundial.

Apesar disso, ao longo da história, inúmeros preconceitos, crenças e estigmas negativos foram gerados em torno da menstruação.

Um estudo do Unicef de 2015 mostrou que uma em cada três meninas do sul da Ásia não conhecia nada sobre a menstruação antes de ficar menstruada pela primeira vez, enquanto 48% das meninas do Irã e 10% das meninas na Índia acreditavam que a menstruação era uma doença.

A consequência principal dessa situação é que ainda hoje milhões de mulheres sofrem de vergonha e isolamento quando estão menstruadas.

É por isso que todo dia 28 de maio se celebra mundialmente o Dia Internacional da Higiene Menstrual, uma iniciativa da ONG alemã Wash United (Water, Sanitation and Hygiene, em inglês), com o objetivo de quebrar o silêncio em torno do tema.

Mas como se dá exatamente esse processo biológico?

O primeiro passo para romper esse tabu é entender o que acontece no corpo da mulher a partir da puberdade -entre os 10 e 14 anos - e até os 45-50 anos.

Biologicamente, o ciclo menstrual é o processo de expulsão de um óvulo não fecundado, que se conclui com uma hemorragia, também chamada de menstruação.

A duração do ciclo menstrual costuma ser de 28 dias e se divide em duas fases de duração similar, separadas entre si pela ovulação.

A primeira fase, conhecida como fase folicular, começa no primeiro dia de sangramento menstrual e dura uma ou duas semanas.

Durante esse período, um óvulo - célula feminina de reprodução-, cresce e amadurece dentro de um ovário.

Ao mesmo tempo, os ovários produzem hormônios que favorecem o desenvolvimento da camada que reveste o útero, chamada de endométrio.

Ao longo dos dias, o endométrio engrossa e fica rico em vasos sanguíneos, preparando-se para receber o óvulo no momento em que for liberado pelo ovário.

Quando o óvulo amadurece, no 14º dia do ciclo, aproximadamente, ele se separa do ovário - no processo de ovulação - e sai pela trompa de falópio até o útero.

Se o óvulo foi fecundado por um espermatozóide, ele será implantado no endométrio - e assim começará o processo da gravidez.

Se, por outro lado, não houver fecundação, o óvulo morre dois ou três dias depois de ter saído do ovário, sendo expulso na fase seguinte.

No período que vai do dia 14 ao 28, conhecido como a fase lútea, o endométrio aumenta sua espessura ainda mais, e aumentam o número e o tamanho dos vasos sanguíneos que o nutrem. Até o dia 25 do ciclo, a produção de hormônios por parte dos ovários começa a diminuir.

O útero fica incapaz de manter por si só o sustento de sua camada interna, já bastante grossa e cheia de vasos sanguíneos.

É então que ocorre a hemorragia, que dura entre três e sete dias e é composta por células do endométrio e pelo sangue em suas pequenas artérias e veias.

Assim se produz o fluxo menstrual - e o começo de um novo ciclo.