Por dentro da Skid Row, a maior 'cracolândia' dos EUA
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Por dentro da Skid Row, a maior 'cracolândia' dos EUA

A região conhecida como Skid Row, uma área de 54 quarteirões em Los Angeles, é a maior concentração de moradores de rua dos Estados Unidos.

Atualmente, 4 mil pessoas vivem nas ruas do bairro, mais que o dobro da cracolândia, região do centro de São Paulo com consumo e venda de crack a céu aberto.

Depois de anos de predominância do crack, a heroína se tornou a droga mais popular do bairro em Los Angeles, segundo os frequentadores.

No início do século 20, a Skid Row já era conhecida por reunir trabalhadores sem emprego fixo, alcoólatras e desempregados em uma das franjas do centro da cidade.

O termo (caminho de derrapagem) surgiu no século 17, associado às áreas onde trabalhadores temporários organizavam o escoamento de troncos para a produção de madeira e celulose.

Desde então, áreas urbanas degradadas, em cujas ruas se reúnem de pessoas em situação precária, ficaram conhecidas nos EUA como "skid rows" – a mais famosa dos Estados Unidos é a de Los Angeles, mas há outras grandes skid rows no país, como a de Chicago.

No fim dos anos 1980, o termo ficou conhecido internacionalmente por dar nome à banda de hair metal liderada por Sebastian Bach.

Em Los Angeles, apesar do crescimento acelerado nos últimos anos, acompanhando a epidemia de opioides (analgésicos altamente viciantes e derivados do ópio, incluindo heroína) que se espalha pelos EUA, a Skid Row ganhou seu principal impulso há quatro décadas.

Em 1976, o Conselho Municipal de Los Angeles lançou um plano urbanístico que mais tarde ficou conhecido como "política de contenção".

A estratégia da prefeitura consistia em concentrar em um único lugar da cidade toda a oferta de abrigos, refeições populares, ONGs de reabilitação e serviços para a população desempregada, sem moradia e com problemas de saúde mental.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

Reportagem: Ricardo Senra / Imagens: Apu Gomes / Edição: Elisa Kriezis

Tópicos relacionados