Oriente médio

Polícia dispersa protesto contra governo no Bahrein

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

As forças de segurança do Bahrein dispersaram um protesto de milhares de pessoas contra o governo na praça central da capital, Manama.

Centenas de policiais da tropa de choque invadiram a praça onde estavam os manifestantes antes do amanhecer desta quinta-feira usando bombas de gás lacrimogêneo, golpes de bastão e, segundo testemunhas, balas de borracha.

Segundo grupos de oposição, pelo menos quatro pessoas morreram durante a operação e outras cem ficaram feridas.

Os manifestantes estavam acampados na praça desde terça-feira.

Um manifestante contou que eles não faziam mal a ninguém e não esperavam a operação.

"Estávamos dormindo quando eles nos surpreenderam e atacaram."

Operação da polícia começou durante a madrugada

Operação da polícia começou durante a madrugada

Os manifestantes fugiram, perseguidos pela polícia, enquanto helicópteros sobrevoavam a praça. O cheiro de gás lacrimogêneo permaneceu no centro de Manama várias horas depois da operação.

Nos hospitais, dezenas de pessoas foram atendidas.

Barracas abandonadas

Quando amanheceu, a praça, que passou a ser chamada por manifestantes de Tahrir depois das manifestações no Egito, mostrava os sinais da repressão ao protesto: barracas abandonadas, cobertores e objetos dos manifestantes espalhados.

O Ministério do Interior informou que a operação na praça só ocorreu depois de o governo ter esgotado todas as alternativas de negociação com os manifestantes.

Tanques e veículos blindados tomaram as ruas da capital do país, o primeiro sinal do envolvimento militar na crise.

Muitos dos manifestantes do Bahrein pediam libertação dos prisioneiros políticos, a criação de empregos e a construção de casas populares, o estabelecimento de um Parlamento mais representativo e uma nova Constituição.

Eles pedem também um novo gabinete que não inclua o atual primeiro-ministro, xeque Khalifa bin Salman Al Khalifa, no cargo há 40 anos.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.