Protecionismo piora a crise econômica, diz China

Trabalhador imigrante procura emprego em Guangdong, China (arquivo)
Image caption Trabalhadores imigrantes têm tido problemas para encontrar emprego na China

A China afirmou que medidas protecionistas dos pacotes de estímulo econômico de outros países vão piorar ainda mais a crise mundial.

Um porta-voz do Ministério do Comércio chinês, Yao Jian, disse em uma entrevista coletiva que está "profundamente preocupado" com o protecionismo em alguns países, segundo a agência de notícias oficial Xinhua.

"A China é contra qualquer forma de protecionismo e propomos cooperação e negociação para resolver todas as questões de comércio internacional", disse.

A Xinhua destacou durante o final de semana o pacote de estímulo aprovado pelos Estados Unidos na sexta-feira, "de US$ 787 bilhões de dólares que contém a cláusula 'Compre (produtos) Americanos', que limita a compra de ferro estrangeiro, aço e produtos manufaturados para projetos de infra-estrutura financiados pelo estímulo".

A China teme que este seja um sinal de que o governo do presidente Barack Obama vá aplicar políticas protecionistas no futuro.

Apoio à OMC

O comentário da Xinhua que atacou o protecionismo americano afirmou que esta "não é uma solução", é um "veneno".

O porta-voz do Ministério do Comércio chinês não mencionou diretamente os Estados Unidos em sua declaração.

Mas quando perguntado sobre a cláusula "Compre (produtos) Americanos", ele afirmou que cada país deve ser cuidadoso para não passar a mensagem errada ou para aplicar medidas que poderiam prejudicar os outros países.

O porta-voz acrescentou que está muito preocupado com as decisões de alguns países de incluírem cláusulas, em seus pacotes de estímulo econômico, que priorizam a compra de produtos de seus próprios mercados.

Yao Jian também afirmou que a China dará total apoio à Organização Mundial do Comércio (OMC) para frear o avanço do protecionismo comercial.

O governo chinês tocou na questão do protecionismo várias vezes em declarações, comentários e artigos na imprensa oficial do país.

A declaração do novo secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Tim Geithner, afirmando que a China recentemente manipulou sua moeda para garantir que continue favorável às condições de comércio, gerou preocupação no governo do país.

As economias dos dois países são muito dependentes uma da outra. A China não quer uma guerra de comércio que poderia prejudicar seus esforços para a recuperação da economia.

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet