Europa aprova regras mais duras para o mercado

Merkel e Sarkozy
Image caption Merkel e Sarkozy defendem regras mais duras para o mercado financeiro

Líderes de vários países da Europa reunidos em Berlim, na Alemanha, aprovaram neste domingo propostas de reforma do mercado financeiro mundial.

As mudanças devem criar uma regulamentação mais rígida para mercados e produtos financeiros, entre eles, os chamados hedge funds, que permitem técnicas de investimento mais agressivas que os fundos convencionais.

O objetivo do encontro na Alemanha é chegar a uma posição comum da União Européia para o encontro de abril do G20 sobre a crise financeira mundial, em Londres.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, afirmou ser necessário um novo pacto global.

Fundo para crises

Ele defendeu a criação de um fundo financiado internacionalmente de no mínimo US$ 5 bilhões, para que se possa combater crises como a atual no futuro.

Os governantes de Alemanha, França, Itália, Espanha, Holanda e Grã-Bretanha tentam chegar a um consenso sobre como enfrentar a crise econômica mundial.

De acordo com o correspondente da BBC Rob Cameron, que acompanha a reunião em Berlim, como parte do esforço para afinar o discurso europeu, o primeiro-ministro da República Tcheca, Mirek Topolanek deve se reunir a portas fechadas com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, para tentar pôr um ponto final nos desentendimentos entre os dois países.

Sarkozy chegou a declarar que, para garantir a ajuda estatal, a indústria automobilística francesa deveria transferir de volta à França as suas fábricas do Leste Europeu.

Antes do início do encontro, a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, vinha defendendo uma supervisão mais rígida dos mercados internacionais.

No sábado, ela afirmou que não deveriam mais ser permitidas "brechas" nos sistemas de controle internacionais.

O ministério das Finanças alemão vem defendendo regras mais estritas para hedge funds e sistemas de avaliação mais precisos, para evitar futuros colapsos do mercado como o atual.