França volta atrás e nega ter detectado sinal de caixa-preta de Airbus

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

O governo francês voltou atrás e afirmou nesta quarta-feira que não detectou o sinal de uma das caixas-pretas do avião da companhia aérea Yemenia que caiu no Oceano Índico na terça-feira.

Um porta-voz do ministro francês da Cooperação havia dito nesta quarta-feira que um sinal da caixa-preta havia sido detectado, mas depois o ministro confirmou que o que foi encontrado foram sinalizadores de socorro da aeronave.

O Airbus, com 153 pessoas a bordo, caiu depois de enfrentar mau tempo. Apenas um sobrevivente foi encontrado – uma menina de 14 anos.

O voo IY626 era o trecho final de uma rota que se iniciou em Paris, com escala em Marselha, na França, e conexão no Iêmen até Comores. Havia 66 franceses a bordo, além de comorenses e cidadãos de países do Oriente Médio.

Um navio francês foi enviado ao local para começar as operações de busca.

"Hoje a prioridade é continuar a busca por corpos e destroços do avião", disse o porta-voz do Ministério francês da Cooperação.

''Defeitos''

Autoridades francesas haviam encontrado "defeitos" no Airbus A310 da Yemenia que caiu no Índico.

O ministro francês dos Transportes, Dominique Bussereau, disse em uma entrevista à rádio Europe 1 e ao canal de TV iTélé que a aeronave "havia sido examinada em 2007 pela Direção Geral da Aviação Civil da França, que havia constatado alguns defeitos" nela.

"A aeronave, após essa data, não reapareceu no território francês", afirmou o ministro.

Segundo Bussereau, a Yemenia não integrava a lista negra de companhias aéreas que apresentam problemas de segurança, "mas era objeto de controles reforçados por parte das autoridades francesas e deveria ser interrogada em breve pelo Comitê de Segurança da União Europeia".

A Airbus informou que o avião datava de 1990 e tinha 51,9 mil horas de voo. Ele foi comprado "de segunda mão" pela companhia Yemenia em outubro de 1999.

A aeronave caiu no Oceano Índico na madrugada da terça-feira (às 19h51 de segunda-feira em Brasília) com 142 passageiros e 11 tripulantes.

Yemenia

A companhia aérea Yemenia colocou uma mensagem em seu site na internet, lamentando "o desaparecimento do voo IY626".

A empresa tem 51% de suas ações de propriedade do governo do Iêmen e 49% pertencentes ao governo da Arábia Saudita.

Em 1996, um avião de uma companhia aérea etíope foi sequestrado e caiu na mesma região, matando a maioria das 175 pessoas a bordo.

Comores, um país formado por três das quatro ilhas do arquipélago do mesmo nome, fica a cerca de 300 km a noroeste de Madagascar, no canal de Moçambique, na África.

O país foi protetorado e território ultramarino da França, tendo conquistado a independência em 1975. A grande maioria da população, 98%, é muçulmana.

O acidente com o Airbus A310 ocorre no momento em que o acidente com o A330 da Air France, que havia decolado do Rio de Janeiro em 31 de maio com 228 pessoas a bordo, completa um mês.

Apenas 51 corpos foram encontrados e as buscas por corpos foram encerradas na última sexta-feira.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.