Governo do Afeganistão não controla 30% do país, diz pesquisa da BBC

Soldado afeg'ao faz patrulha na Província de Uruzgan, na região central do país (AFP, 17 de agosto)
Image caption Governo afegão afirma que poucos distritos estão inseguros

Um levantamento da BBC divulgado nesta segunda-feira indica que cerca de 30% das zonas eleitorais do Afeganistão não estão completamente seguras, a apenas três dias das eleições presidenciais no país.

A rede de colaboradores do serviço afegão da BBC avaliou a situação dos mais de 350 distritos do país e chegou à conclusão de que em mais de cem deles falta segurança totalmente ou parcialmente.

O governo afegão, no entanto, afirma que será capaz de garantir a segurança em 6,5 mil dos 7 mil postos eleitorais do país, e que apenas nove ou dez distritos estão fora do alcance das forças de segurança.

Um porta-voz do presidente afegão, Hamid Karzai, disse discordar das conclusões do levantamento, destacando que existiriam problemas de segurança em apenas poucos distritos.

O levantamento da BBC diz ainda que a maior parte dos distritos que estariam fora do controle do governo fica no sul do país, onde tem acontecido a maior parte dos ataques do Talebã.

Em algumas áreas, o governo controlaria apenas a principal cidade, mas a sua atuação não chega até os vilarejos nos arredores.

Temores

As eleições presidenciais do Afeganistão estão marcadas para o dia 20 de agosto, mas analistas temem que em várias áreas, os eleitores não consigam chegar até as zonas eleitorais por medo de atentados.

Forças do governo afegão e soldados internacionais vão reforçar o patrulhamento para tentar garantir a segurança, embora o Talebã venha afirmando que vai tentar atrapalhar o pleito.

Nas últimas semanas, o grupo militante vem intensificando suas ações. No sábado, um atentado com um carro-bomba atribuído ao grupo matou sete pessoas em frente à sede da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) em Cabul, a capital do país, uma das áreas consideradas mais seguras e protegidas.

O atentado do último sábado foi o primeiro de grandes proporções na capital desde fevereiro, quando atiradores armados invadiram o Ministério da Justiça.

Cerca de 200 mil soldados e policiais das forças afegãs de segurança, além de 100 mil soldados da Otan, trabalharão para tentar garantir a segurança dos postos de votação na quinta-feira.

Disputa

Além do presidente, os 17 milhões de eleitores registrados poderão escolher também representantes para os conselhos locais das 34 províncias do país.

O atual presidente, Hamid Karzai, no poder desde 2001, é o favorito para vencer a eleição presidencial, mas muitos analistas veem uma grande possibilidade de que ele não consiga a maioria absoluta dos votos para evitar a realização de um segundo turno.

O principal adversário de Karzai é seu ex-ministro das Relações Exteriores Abdullah Abdullah, cuja popularidade é alta entre a minoria tadjique do norte do país.

Notícias relacionadas