Afeganistão vai às urnas para eleger novo presidente

Afegão em posto de votação em Herat, 19/08. Foto AP
Image caption O governo teme que a violência afaste os eleitores dos postos de votação

As urnas já estão abertas para a votação da segunda eleição presidencial no Afeganistão desde a queda do Talebã, em 2001.

Milhões de afegãos devem comparecer às urnas para eleger o novo presidente do país e membros dos conselhos locais das províncias.

As urnas foram abertas às 7 hrs, horário local (23:30 de quarta-feira, horário de Brasília) em quase de 7 mil postos de votação em todo o país.

A milícia do Talebã ameaçou atrapalhar a votação, que ocorre em meio a um aumento na violência do país.

Na quarta-feira, a capital, Cabul, foi palco de uma nova onda de violência. Soldados enfrentaram insurgentes que haviam invadido um banco localizado a algumas centenas de metros do palácio presidencial. Três insurgentes morreram.

O governo teme que a violência afaste os eleitores dos postos de votação, mas o presidente, Hamid Karzai, candidato à reeleição, pediu para que todos os eleitores afegãos compareçam às urnas “pela estabilidade, pela paz e pelo progresso do país”.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, disse que, ao participar da votação, os afegãos contribuirão para “trazer vigor à vida política do país e reafirmar seu compromisso em contribuir para a paz e prosperidade da nação”.

Cerca de 300 mil soldados afegãos e membros da Isaf (a força de manutenção de paz liderada pela Otan) estão trabalhando durante o pleito para garantir a segurança de cerca de 17 milhões de eleitores.

Segurança

Por causa da falta de segurança, ainda não está claro quantos postos de votação irão operar durante o pleito.

O ministro do Interior afegão disse que cerca de 35% do país se encontra em alto risco de ataques. Segundo ele, nenhum dos pontos de votação localizados nos oito distritos controlados pelo Talibã serão abertos.

A correspondente da BBC na cidade de Lashkar Gah, na província de Helmand, disse que há uma sensação de ameaça na província enquanto os eleitores decidem se arriscarão ir às urnas.

Esta é a segunda vez que o Afeganistão realiza uma eleição presidencial desde a queda do regime do Talebã, em 2001.

As pesquisas indicam que o atual mandatário e candidato à reeleição, Hamid Karzai, é o favorito.

Entretanto, as analistas dizem que o ex-ministro do Exterior Abdullah Abdullah também tem chances na corrida, entre dezenas de candidatos.

Além da onda de violência, a BBC descobriu ameaças de fraude e corrupção às eleições presidenciais.

Milhares de títulos eleitorais teriam sido postos à venda e milhares de dólares oferecidos em suborno para a compra de votos.

Os resultados preliminares das eleições devem ser divulgados neste sábado. Caso o candidato vencedor não conquiste mais do que 50% dos votos, um segundo turno será realizado em outubro.

Leia mais na BBC Brasil: Investigação identifica provas de corrupção e fraude em eleição afegã

Notícias relacionadas