Rival diz que anúncio sobre vantagem de Karzai é 'prematuro'

Abdullah Abdullah. Foto AP
Image caption Abdullah disse que preocupação sobre fraude foi 'confirmada'

O ex-ministro das Relações Exteriores do Afeganistão e candidato à Presidência nas últimas eleições Abdullah Abdullah afirmou nesta terça-feira que o anúncio sobre vantagem do atual presidente, Hamid Karzai, na apuração parcial dos votos é “prematuro”.

Nesta terça-feira, a Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão (IEC, em inglês) anunciou que o presidente Karzai obteve 54,1% dos votos apurados em 92% das seções eleitorais.

Ao superar a marca dos 50% dos votos, Karzai evita a disputa de um segundo turno com o rival, Abdullah Abdullah que, segundo as autoridades eleitorais, obteve até agora pouco mais de 28% dos votos.

Segundo Abdullah, ainda é cedo para indicar a vantagem de Karzai haja visto as irregularidades que ocorreram durante o processo eleitoral.

O rival afirmou ainda que suas preocupações iniciais sobre as fraudes nas eleições presidenciais do país foram “confirmadas” nesta terça-feira.

Fraude

As declarações de Abdullah foram feitas após o anúncio da comissão para queixas ligadas à votação (Electoral Complaints Commission - ECC, em inglês) de que foram encontradas "evidências claras e convincentes de fraude" em vários postos.

Segundo a ECC, a recontagem será feita em todos postos em que apenas um candidato recebeu mais de 95% dos votos.

O presidente da ECC, Grant Kippen, disse que não sabe quantas zonas eleitorais estariam envolvidas.

O embaixador afegão em Washington, Said Tayeb Jawad, disse à BBC que os sistemas independentes que monitoraram as eleições mostrariam facilmente se o presidente Karzai se envolveu em alguma irregularidade durante o pleito.

A eleição foi ofuscada por um grande número de alegações de irregularidades. As potências ocidentais consideravam como um objetivo-chave do pleito a obtenção de um resultado eleitoral com credibilidade, num momento em que prosseguem sua campanha contra o Talebã.

Medidas firmes

Mais cedo, a Organização das Nações Unidas (ONU) pediu que as autoridades eleitorais no Afeganistão adotassem medidas firmes para impedir fraude na apuração dos votos do pleito presidencial.

O representante especial da ONU no país, Kai Eide, enviou uma carta às autoridades nesta terça-feira, afirmando que a contagem final precisa excluir resultados de todas as urnas onde ocorreram irregularidades.

A BBC apurou que o embaixador dos Estados Unidos na capital afegã, Cabul, e um alto representante da ONU se reuniram com o presidente afegão Hamid Karzai na noite de segunda-feira para discutir a crescente preocupação que têm com as denúncias de fraude.