Enviado dos EUA faz apelo para países acolherem detentos de Guantánamo

O centro de detenção de Guantánamo Bay
Image caption Obama ordenou o fechamento do centro até final de janeiro de 2010

O enviado especial dos Estados Unidos para o fechamento do centro de detenção de Guantánamo Bay, Daniel Fried, fez um apelo, nesta quarta-feira, para que outros países acolham alguns detentos da prisão.

O governo americano espera transferir alguns dos detentos da prisão para outros países, mas as negociações estão difíceis, particularmente no que diz respeito aos Estados Unidos receberem detentos.

Na primeira entrevista à imprensa desde que assumiu o cargo, Fried afirmou à BBC que mais nações estariam dispostas a receber os ex-prisioneiros se os Estados Unidos também acolhessem alguns dos detentos libertados – medida já rejeitada pelo Congresso.

O diplomata afirmou ainda que enfrenta uma tarefa difícil de transferir os detentos, mas acredita que o centro de detenção será fechado até fevereiro de 2010, conforme prometido pelo presidente Barack Obama.

Fechamento

Obama assinou um decreto no último dia 22 de janeiro que ordena o fechamento do campo de prisioneiros no prazo de um ano.

Desde o pedido, autoridades do governo americano estão revisando arquivos de casos dos detidos de Guantánamo Bay numa tentativa de determinar os prisioneiros que devem enfrentar um julgamento criminal, quais enfrentarão comissões militares, quem será libertado e que presos não podem nem ser libertados nem julgados.

O campo de prisioneiros da base militar americana de Guantánamo abriga cerca de 250 detentos suspeitos de "terrorismo". Muitos deles estão presos sem nenhuma acusação formal.

Com o fechamento do centro, alguns deles precisam ser transferidos para outros países, já que poderiam ser perseguidos em seus países de origem.

Notícias relacionadas