Saudita é condenado a prisão e mil chicotadas por falar de sexo

Image caption A Arábia Saudita é um dos países que mais segregam os sexos

Um saudita foi condenado a cinco anos de prisão e mil chicotadas nesta quarta-feira em um tribunal na capital do país, Riad, por falar de sua vida sexual, segundo seu advogado.

Sulaiman Al-Jumeii afirmou que vai apelar contra a sentença dada a seu cliente Mazen Abdul Jawad, que inclui ainda a proibição de viajar ao exterior ou falar com a imprensa por cinco anos após o final da sentença.

O advogado alega que Jawad, de 32 anos de idade, teria sido enganado pelo canal de TV libanês LBC e que ele não sabia que a conversa que estava tendo era gravada.

O programa transmitido no dia 15 de julho escandalizou a conservadora Arábia Saudita, país onde o sexo é um tabu.

Defesa

A transmissão mostrou imagens de Jawad dizendo ter feito sexo pela primeira vez aos 14 anos, que seduziu mulheres por meio de mensagens de celular e mostrando acessórios sexuais em seu quarto.

Mas o advogado afirma que os acessórios foram colocados no local pela produção do programa. A defesa alega ainda que seu cliente estava falando de outras pessoas e não de si próprio.

Após a transmissão, o governo ordenou o fechamento dos dois escritórios do canal LBC no país.

Os outros dois homens apresentados no programa foram condenados a dois anos de prisão e 300 chicotadas cada, segundo o advogado.

O cinegrafista que gravou as imagens foi condenado a dois meses de detenção.

Notícias relacionadas