Irã acusa jovens americanos de espionagem

Da esquerda para a direita: Shane Bauer, Sarah Shourd e Joshua Fattal
Image caption O trio alega ter entrado por engano em território do Irã

Três jovens americanos detidos no Irã por terem supostamente entrado no país ilegalmente devem ser processados por espionagem, segundo disse nesta segunda-feira a agência de notícias oficial iraniana Irna.

O promotor-chefe do Irã, Abbas Jafari Dowlatabadi, disse que um parecer sobre o caso será emitido em breve e que as investigações sobre os três prosseguem.

Os americanos detidos são Shane Bauer, um jornalista freelancer do Estado de Minnesota que vive no Oriente Médio, sua namorada, Sarah Shourd, e Joshua Fattal, do Estado da Pensilvânia e que tem um pai iraquiano.

Eles estão presos no Irã desde o final de julho.

Clinton

Acredita-se que o trio cruzou a fronteira iraniana por engano, enquanto faziam uma caminhada pela região do Curdistão iraquiano (norte do país). A fronteira entre os dois países não é claramente demarcada nesta área.

As famílias dos jovens apelaram para que eles fossem liberados, e as autoridades dos Estados Unidos demonstraram preocupação com o ocorrido.

"Acreditamos fortemente que não existam evidências para justificar qualquer acusação", disse a jornalistas a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, durante uma viagem à Alemanha.

"E renovamos nosso pedido, em nome desses jovens e suas famílias, para que o governo iraniano mostre compaixão, os libertem para que possam voltar para casa", completou.

Correspondentes dizem não descartar que o processo esteja sendo usado politicamente pelo Irã, em um momento em que o país discute com os Estados Unidos seu polêmico programa de enriquecimento de urânio.

Notícias relacionadas