Colômbia reforça presença militar na fronteira com a Venezuela

Entrega da bandeira a batalhão na Colômbia (foto: Exército da Colômbia)
Image caption Governo anunciou ampliação de base e novos batalhões de aviação

As Forças Armadas da Colômbia ativaram neste sábado novas unidades de aviação, após terem afirmado que pretendem reforçar uma base militar localizada na fronteira com a Venezuela.

O Ministério da Defesa colombiano afirmou que dois dos seis novos batalhões de aviação, que são equipados com novos helicópteros de combate e transporte de tropas, serão baseados em zonas fronteiriças.

Um deles fica na península de La Guajira, zona relativamente despovoada, mas rica em recursos como gás, localizada no norte do país.

O outro está localizado em Arauca, território com importantes reservas de petróleo e forte presença de grupos guerrilheiros, no leste colombiano.

“Hoje é um dia para a história do povo colombiano”, disse o comandante do Exército, general Óscar Gonzáles, durante a cerimônia militar que ativou os batalhões.

Base

Segundo o Exército, a Colômbia tem agora 120 helicópteros de fabricação americana e russa.

“Recebemos equipamentos estratégicos e aeronaves para a defesa e segurança da pátria, com as quais estamos melhorando a capacidade de reação do Exército”, disse o comandante.

Na véspera, o ministro da Defesa, Gabriel Silva, já havia anunciado a decisão de ampliar uma base militar em La Guajira porque, segundo ele, é “uma antiga aspiração das forças militares ter uma presença digna” no local.

A atual base militar abriga 50 militares e seis policiais. Com a ampliação, segundo o ministro, a base poderá abrigar entre 800 e mil homens.

De acordo com o ministro, o objetivo é converter a base em um centro integral de apoio a comunidades indígenas da Colômbia e da Venezuela que habitam o local.

Tensão

Os anúncios ocorrem em meio à crescente tensão entre Colômbia e Venezuela, que compartilham 2.219 quilômetros de fronteira.

Segundo o correspondente da BBC na Colômbia, Hernando Salazar, as relações entre os dois países vêm se deteriorando desde julho, quando Bogotá anunciou um convênio militar com Washington que permite às Forças Armadas americanas utilizar sete bases militares colombianas.

O acordo provocou reações de outros países da região, entre eles o Brasil.

Um dos batalhões de aviação ativados neste sábado está localizado na base de Larandia, que integra o acordo com os Estados Unidos.

Segundo o correspondente da BBC, a Venezuela considera esse acordo uma ameaça para sua segurança, enquanto a Colômbia afirma que o objetivo é combater o terrorismo e o narcotráfico dentro de suas fronteiras.

No mês passado, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, chegou a afirmar que as Forças Armadas do país e a população civil deveriam se "preparar para a guerra" para garantir a paz.

Notícias relacionadas