Celebração do Natal em Belém é marcada por pedidos de paz

Patriarca Latino de Jerusalém, Dom Fouad Twal, chega a Belém
Image caption Dom Fouad Twal afirmou que todos querem paz para região

O patriarca latino de Jerusalém e principal autoridade da Igreja Católica na Terra Santa, Dom Fouad Twal, afirmou nesta quinta-feira que todos os cristãos têm hoje uma esperança comum: a paz.

Twal realizou uma procissão de Jerusalém a Belém, onde lidera as comemorações do Natal juntamente com milhares de peregrinos cristãos.

Depois que ele e seu comboio de carros atravessaram o muro erguido por Israel para separar áreas palestinas na Cisjordânia, onde fica Belém, o patriarca disse que a mensagem para o Natal é de "paz para todos, segurança para todos".

"O que nós desejamos mais, o que mais esperamos, não está vindo. Queremos paz."

"Não temos falta de alimentos, não precisamos de ajuda. Queremos liberdade de movimento, não queremos muros. Não queremos barreiras", acrescentou o Patriarca Latino de Jerusalém.

'Capital do Natal'

O prefeito de Belém, Victor Batarseh, concordou com os pedidos do patriarca.

"Estamos preparados para dar as boas-vindas ao Natal com luzes, decorações e alegria, mas esta pequena cidade de amor e paz, a capital do Natal, não tem a paz que deseja e merece", afirmou.

O ponto alto das comemorações do Natal em Belém é a missa à meia-noite, perto da Igreja da Natividade, construída onde se acredita que teria existido o estábulo onde Maria deu à luz Jesus.

Cerca de 300 cristãos da Faixa de Gaza, com idades acima de 35 anos, receberam permissão dos militares israelenses para deixar o território e ir a Belém durante 24 horas para celebrar o Natal.

A cidade espera receber um total de 15 mil turistas durante o período, em um ano onde foi registrou um número recorde de visitantes, cerca de 1,6 milhão de pessoas.

No entanto estes números não significam mais dinheiro para a cidade, pois a maioria dos turistas visita Belém por apenas um dia e ficam em hotéis em Israel.

"Apenas 5% do dinheiro fica do lado palestino", afirmou o ministro do Turismo palestino, Khulud Duaibess.

Notícias relacionadas