Afeganistão

Ataque coordenado deixa pelo menos 12 mortos em Cabul

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Pelo menos 12 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas nesta segunda-feira em uma série de ataques coordenados realizada por um grupo de atiradores e homens-bomba ligados ao Talebã no centro da capital do Afeganistão, Cabul.

Testemunhas afirmam ter visto combates entre atiradores talebãs e forças de segurança até o começo da noite (horário local) perto do Hotel Serena e do palácio presidencial, apesar de o presidente afegão, Hamid Karzai, ter dito que a segurança já havia sido restabelecida.

Em comunicado, o Talebã afirmou que 20 de seus homens participaram do ataque em Cabul. Dois civis e três membros das forças de segurança afegãs morreram e 71 outros ficaram feridos, segundo as autoridades. Sete militantes talebãs também morreram, segundo o ministro do Interior, Mohammad Hanif Atmar.

A onda de atentados foi a mais recente de uma série de ataques cada vez mais ousados à capital afegã. Um comunicado no site do Talebã afirmou que os alvos eram prédios do governo e o Hotel Serena.

O chefe das forças americanas no Afeganistão, general Stanley McChrystal, elogiou o trabalho das forças de segurança nos ataques desta segunda-feira e condenou a ação do Talebã.

"Os atentados do Talebã hoje em Cabul são mais um exemplo da brutalidade do grupo e de seu desprezo pelo povo afegão", afirmou ele, em declaração emitida pela força da Otan no país.

Segundo autoridades, os militantes estavam armados com lançadores de granada e armas leves. Quatro atacaram um shopping center perto do Hotel Serena e do palácio presidencial.

A 400 metros de distância, dois talebãs atacaram um cinema e morreram no local. Logo depois, duas explosões foram ouvidas perto dali.

Segurança

O representante especial do governo americano para o Afeganistão e o Paquistão, Richard Holbrooke, afirmou que "não era surpresa que o Talebã fizesse esse tipo de coisa. Eles estão desesperados, não têm limites".

A embaixada dos Estados Unidos em Cabul afirmou que o desprezo do Talebã por vidas afegãs é "deplorável".

O Afeganistão tem sido palco de ataques violentos desde o processo eleitoral de agosto, com denúncias de fraude, e que levaram o presidente, Hamid Karzai, a tomar posse depois do cancelamento do segundo turno.

Além da violência gerada a partir da polêmica do pleito eleitoral, a milícia Talebã disse que vai intensificar sua resistência no Afeganistão, após o anúncio do envio de mais 30 mil soldados americanos ao país feito pelo presidente Barack Obama em Dezembro.

Em um comunicado divulgado à imprensa nesta segunda-feira, o Talebã afirmou que a estratégia dos Estados Unidos não vai funcionar e que as tropas estrangeiras vão sofrer grandes baixas como consequência.

A milícia fundamentalista islâmica governou o país até 2001, quando foi afastada numa ofensiva militar liderada pelos Estados Unidos.

Desde então, tropas da Otan permanecem no país lutando contra os focos de insurgência do Talebã.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.