Peru já resgatou 80 brasileiros da área de Machu Picchu

Turista brasileiro dorme em trem esperando para deixar Machu Picchu
Image caption 270 brasileiros ainda aguardam para deixar a região

As equipes de resgate já evacuaram 80 brasileiros que estavam ilhados na cidade peruana de Águas Calientes, próxima das ruínas de Machu Picch, segundo o Itamaraty.

Outros 270 brasileiros ainda aguardam para sair da cidade.

O ministério das Relações Exteriores, que inicialmente havia calculado o número de brasileiros na região em até 120 pessoas, refez os cálculos após a chegada de um diplomata na cidade.

O Itamaraty afirmou que um dos objetivos da presença do diplomata é garantir que todos os brasileiros na cidade tenham recursos adequados para alimentação e acomodação enquanto esperam a saída do local.

Fila

Fortes chuvas e deslizamentos bloquearam o acesso à região no domingo, deixando mais de 2 mil turistas estrangeiros isolados. A principal forma de acesso à área é por trem, e as linhas foram interrompidas após deslizamentos.

A evacuação dos turistas está sendo feita por meio de helicópteros. Na terça-feira, quatro brasileiros foram transportados e na quarta-feira, outros 20 brasileiros deixaram o local.

Segundo o Itamaraty, primeiro foram transferidos idosos, crianças e pessoas vulneráveis. Como a maior parte dos turistas brasileiros é de jovens, eles ficam atrás na fila.

Foram retirados da área mais de mil turistas entre a terça e a quarta-feira, mas outros 250, que estavam em trilhas próximas, chegaram a Águas Calientes na quarta-feira.

O grande número de turistas ilhados na região vem inflacionando os preços dos víveres e uma garrafa de água, por exemplo, chega a custar US$ 3,5 - cinco vezes mais cara que o preço normal.

O governo peruano decretou estado de emergência por 60 dias nas regiões de Cuzco e Apurímac devido às fortes chuvas.

A Defesa Civil peruana afirmou ter destinado 35 toneladas de ajuda às cerca de 35 mil vítimas da região. O governo calcula que mais de 3,5 mil casas foram totalmente destruídas.

Fontes locais disseram à agência de notícias Efe que 4 mil famílias já foram retiradas da região de Cuzco.

Já foram confirmadas as mortes de cinco pessoas, incluindo uma turista argentina e seu guia peruano.

Notícias relacionadas