Jesuítas pedem perdão por abusos sexuais na Alemanha

AP
Image caption Dartmann lamentou que padres não tenham sido punidos

O chefe da ordem religiosa jesuíta na Alemanha pediu perdão nesta terça-feira pelos abusos sexuais cometidos por dois padres de forma sistemática.

O padre Stefan Dartmann admitiu que mais de 20 alunos de um prestigiado colégio em Berlim, o Canisius, apresentaram queixas desde 1981 em relação aos padres Peter Riedel e Wolfgang Stab, professores na instituição.

O número de denúncias é bem maior do que o admitido anteriormente pela ordem. Os jesuítas também não haviam reconhecido que receberam denúncias relativas a tantos anos atrás.

Apesar das denúncias, a escola nunca informou pais, alunos ou autoridades.

"Peço perdão pelo fato de os responsáveis pela ordem na época não terem reagido da forma necessária", disse Dartmann.

"Estou envergonhado porque nada foi feito na época."

Detalhes

Ele afirmou que os padres foram transferidos para outros locais na Espanha, no Chile e no México. Nesses países, acredita-se que eles tenham continuado a abusar de alunos.

Os casos na Alemanha, que ocorreram entre os anos 1970 e 1980, não podem ir mais à Justiça do país por terem prescrevido.

Dartmann disse que Riedel forçava seus alunos a se masturbar, e Stab os exercitava em "rituais corporais excessivos", em um contexto sexual.

Ambos os padres deixaram a ordem ainda na década de 80, e Stab admitiu ter cometido abusos sexuais. Ele mora no Chile atualmente e enviou cartas a ex-alunos pedindo perdão.

Riedel nunca admitiu ter abusado de crianças. Ele foi atacado em 1986 por um ex-aluno que posteriormente cometeu suicídio, segundo a imprensa alemã.

Todas as vítimas tinham por volta dos 13 anos quando foram abusadas.

A ordem dos jesuítas investiga outros casos de alegações.

O colégio Canisius é uma das instituições de ensino mais prestigiadas da Alemanha, tendo admitido futuros políticos, empresários e cientistas.

Notícias relacionadas