Campanha de TV arreacada o dobro do esperado no Chile

Campanha
Image caption Campanha iniciada na sexta-feira reuniu políticos, atletas e celebridades

A campanha Chile Ajuda Chile arrecadou o dobro de sua meta durante a maratona televisiva, atingindo a marca de US$ 60 milhões (cerca de R$ 105 mi) para ajudar a reconstruir 30 mil casas destruídas pelo terremoto do último dia 27 de fevereiro.

No encerramento da campanha, no sábado à noite, o presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, prometeu continuar as tarefas de emergência iniciadas na atual gestão da presidente Michelle Bachelet nas áreas mais afetadas pelo terremoto.

"Vamos reconstruir um país muito melhor", afirmou Piñera, o candidato da oposição que toma posse na próxima quinta-feira.

A campanha arrecadou o dobro da meta estabelecida em US$ 30 milhões, chegando a US$ 60 milhões em 24 horas.

Entre os contribuintes estão grandes empresas, jogadores de futebol, a FIFA e artistas, além do público. Muitos estiveram pessoalmente no teatro Teletón onde a campanha foi realizada e transmitida ao vivo pelas principais emissoras de rádio e televisão do país.

Criticada por diferentes setores pela lentidão com que o governo teria reagido inicialmente à catástrofe e pela demora com que o socorro está chegando às regiões afetadas, a presidente Bachelet foi aplaudida pela plateia ao dizer que o Chile hoje é “mais forte”.

“Nós chilenos somos feitos de força e de solidariedade. Esse é o verdadeiro Chile”, disse.

A presidente contou os dramas que viu de perto ao percorrer as áreas eliminadas pelo tsunami.

Ela falou sobre um prefeito que chorou ao ver sua cidade arrasada e a observação do pai dele, de 93 anos, que lhe disse, segundo Bachelet: “Você tem duas opções, chorar ou trabalhar pelo Chile”.

O prefeito optou, então, disse a presidente, por trabalhar. As câmeras mostraram homens e mulheres emocionados com as palavras da presidente que entregará o cargo em cinco dias, após mandato de quatro anos.

A apresentação no teatro, com o encerramento da arrecadação, terminou com Bachelet, Piñera e vários artistas abraçados e cantando o hino nacional chileno.

O encerramento também mostrou imagens de uma caravana de caminhões de grandes companhias, escoltados pela polícia, levando mantimentos e outros produtos para as vítimas do desastre.

O Chile também recebeu ajuda de vários países, entre eles China, Rússia e Estados Unidos, além do Brasil, da Argentina e da Bolívia.

Notícias relacionadas