Itália vai às urnas e põe à prova popularidade de Berlusconi

Silvio Berlusconi votando em Milão
Image caption Resultado negativo pode ameaçar liderança de Berlusconi

Os italianos estão indo às urnas neste domingo para eleições regionais que estão sendo vistas como o maior teste da popularidade do primeiro-ministro Silvio Berlusconi desde que ele voltou ao poder, dois anos atrás.

Treze das 20 regiões da Itália estão escolhendo novos líderes, e a votação será realizada até a segunda-feira.

Berlusconi tem estado no centro de várias polêmicas políticas e pessoais, que podem, segundo analistas, afetarem as chances de seu partido, o Povo da Liberdade (PDL).

O PDL controla apenas duas regiões italianas.

Desafios

Analistas dizem que um resultado ruim para Berlusconi pode dar à Liga Norte mais controle sobre ele. Os dois partidos de centro-direita foram parte da mesma coalizão governista.

Outros especialistas acreditam ainda que o premiê pode até ter de enfrentar um desafio à sua liderança, caso o PDL não conquiste postos em mais regiões italianas.

Apesar de as principais preocupações do eleitorado serem o desemprego e a situação da economia, a campanha eleitoral foi dominada por acusações de que Berlusconi teria tentado proibir programas de entrevistas de cunho político na televisão, o que ele nega.

As expectativas são de que o comparecimento na votação não seja grande, mas os resultados serão estudados pelos opositores e pelos aliados de Berlusconi da mesma maneira, para ver qual rumo a Itália vai tomar.

Incidentes

No sábado, autoridades italianas disseram ter interceptado uma carta endereçada a Berlusconi e que continha uma bala de revólver.

Ainda não ficou claro quem enviou a carta.

Em outro incidente, um artefato incendiário que tinha como destinatário o ministro do Interior pegou fogo e provocou queimaduras nas mãos de um carteiro em Milão.

Um grupo anarquista disse que enviou o pacote.

Notícias relacionadas