Vaticano tenta esclarecer comentário de cardeal sobre homossexualidade

Cardeal Bertone
Image caption Comentário do cardeal Tarcisio Bertone provocou críticas e reações

Um porta-voz do Vaticano divulgou nesta quarta-feira um comunicado em que procura esclarecer as declarações feitas no início da semana pelo cardeal Tarcisio Bertone, que relacionou a homossexualidade com os escândalos de pedofilia envolvendo a Igreja.

O texto assinado pelo padre Federico Lombardi apresenta dados para apoiar a declaração de Bertone, mas faz a ressalva de que não cabe aos religiosos fazer afirmações de natureza médica ou psicológica.

"Autoridades da Igreja não consideram que seja de responsabilidade deles fazer declarações de natureza médica ou psicológica", diz Lombardi no comunicado. "Por isso, eles naturalmente se referem ao trabalho de especialistas ou a pesquisas que estejam em curso."

O porta-voz acrescenta que, de acordo com estatísticas coletadas pela Igreja sobre abusos de menores cometidos por sacerdotes, "cerca de 10% dos casos eram pedofilia propriamente dita e 90%, casos de efebofilia (atração sexual de adultos por adolescentes)".

"Destes, aproximadamente 60% se referiam a indivíduos do mesmo sexo e 30% a casos heterossexuais", conclui o comunicado.

Na segunda-feira, o cardeal Tarcisio Bertone - considerado o segundo na hierarquia do Vaticano, atrás apenas do papa Bento 16 - negou que o celibato contribui para os casos de pedofilia na Igreja e apontou uma relação entre homossexualidade e os abusos cometidos por padres.

"Muitos psicólogos, muitos psiquiatras demonstraram que não há relação entre celibato e pedofilia, mas muitos outros demonstraram, fui informado recentemente, que existe uma ligação entre homossexualidade e pedofilia", afirmou Bertone.

"Isso é verdade. Tenho os documentos de psicólogos. Este é o problema", acrescentou o cardeal, durante visita ao Chile.

Reações

A França foi o primeiro país a se pronunciar contra as declarações do cardeal.

"Essa foi uma equiparação inaceitável e a condenamos", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Bernard Valero. "A França é firmemente engajada na luta contra a discriminação e o preconceito ligado à orientação sexual."

Grupos de defesa dos direitos dos homossexuais de diversos países também condenaram as declarações de Bertone.

Na Itália, o ex-presidente da associação gay italiana Arcigay, Aurelio Mancuso, disse que "a verdade é que Bertone está, de forma atrapalhada, tentando desviar a atenção para a homossexualidade dos crimes contra crianças que surgem diariamente".

Colunistas de jornais italianos também fizeram críticas aos comentários do cardeal.

Francesco Merlo, no jornal La Repubblica, disse que "a Igreja não está ferindo os homossexuais, mas a si própria". Já Piero Ostellino, do Corriere della Sera, disse que o papa deveria ser "protegido" de "comentários imprudentes feitos por religiosos do alto escalão".