Ásia

Líderes da oposição escapam de prisão na Tailândia

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Líderes da oposição ao governo da Tailândia que coordenam uma onda de protestos escaparam de ser presos nesta sexta-feira, protagonizando uma fuga audaciosa de um hotel de Bangcoc.

Policiais entraram no hotel de luxo SC Park em busca de Arisman Pongruangrog, Phayup Panket, Suporn Atthawong e Pramual Chuklom. Os quatro coordenam os protestos que há cinco semanas vêm reunindo milhares de manifestantes da Frente Unida pela Democracia contra a Ditadura (UDD, na sigla em tailandês). Conhecidos como camisas vermelhas, os manifestantes exigem que o primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva renuncie ao cargo e convoque eleições.

A fuga de um dos líderes, Arisman, foi flagrada pelas câmeras de TV e mostram o oposicionista descendo por uma corda de uma sacada no terceiro andar do hotel, e chegando até um veículo em que outros membros do movimento o aguardavam.

A inusitada perseguição foi qualificada pela imprensa local como “cena de filme do 007”. A fuga de Arisman e dos outros líderes é particularmente constrangedora para as autoridades tailandesas porque o vice-primeiro-ministro Suthep Thaugsuban anunciou na TV que a operação resultaria na prisão dos líderes oposicionistas.

“Enquanto eu falo com vocês, forças especiais circundam o hotel SC Park, onde terroristas estão alojados... Nós vamos prender e oprimir esses terroristas. Já designamos forças especiais para isso” disse Suthep.

Sites de jornais locais, como o The Nation, chegaram a anunciar brevemente que as prisões haviam sido realizadas.


O porta-voz da polícia, Panitan Wattanayakorn, admitiu o fracasso da operação.

No último sábado, 10 de abril, confrontos entre camisas vermelhas e a polícia resultaram em mais de 20 mortes, no confronto mais sangrento na Tailândia desde o começo da década de 1990.

Os quatro líderes e outros 24 membros da UDD são procurados pela polícia, acusados de terem incitado a violência que resultou nas mortes.

A confusão começou depois que a polícia tentou remover os manifestantes acampados no centro de Bangcoc.

Acampamento

O acampamento de dezenas de milhares de simpatizantes da UDD no centro da capital levou à interdição de algumas das maiores avenidas da cidade e fechou o principal distrito comercial.

Os camisas vermelhas argumentam que o atual primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva não é um líder reconhecido, pois foi eleito pelo Parlamento, e não por voto direto.

Vejjajiva disse que está disposto a ouvir os manifestantes, mas não pretende renunciar. Duas rodadas de conversas foram improdutivas, e as negociações estão suspensas.

Desde o começo dos protestos, o Exército tem se mantido leal a Vejjajiva. Porém, a crescente pressão popular e rumores de divergências dentro da coalizão governista são indícios de que a liderança de Vejjajiva não é inabalável, na opinião de especialistas.

A UDD se define como "uma coalizão de descontentes que busca a democracia como fundamento para a política tailandesa".

Formada na maioria por moradores das regiões rurais da Tailândia, a frente apóia também o ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, um bilionário deposto em 2006 em um golpe de Estado. Shinawatra vive no exílio e foi condenado à revelia por corrupção.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.