Premiê da Bélgica apresenta renúncia após racha de coalizão governista

Yves Leterme
Image caption Leterme apresentou sua renúncia ao rei Albert nesta quinta-feira

O primeiro-ministro da Bélgica, Yves Leterme, decidiu renunciar ao cargo nesta quinta-feira, depois que a coalizão de cinco partidos que o apoiava sofreu um racha interno.

De acordo com as autoridades belgas, Leterme teria oferecido sua renúncia ao rei Albert depois de uma reunião de emergência de seu gabinete.

O monarca belga, no entanto, não aceitou imediatamente a renúncia do premiê, que pode ser convocado a tentar formar um novo governo. Caso não consiga, o país terá novas eleições.

A nova crise no governo belga fez com que uma sessão do Parlamento que votaria a proibição do uso do véu islâmico que cobre o rosto todo em locais públicos fosse suspensa, sem data para ser retomada.

Leia também na BBC Brasil: Bélgica vota lei que proíbe véu islâmico que cobre o rosto

Divisão

Esta é a terceira queda de uma aliança governista a que a Bélgica assiste nos últimos três anos.

A ruptura ocorreu por causa de disputas por equilíbrio de poder entre representantes das comunidades valona (de língua francesa) e flamenga do país.

As divergências entre os dois lados vêm causando problemas políticos para a Bélgica há décadas. Desta vez, a disputa ocorreu por causa de diferenças quanto aos direitos que se aplicam aos valões nos subúrbios de maioria flamenga em Bruxelas.

Na noite da quarta-feira, os partidos realizaram várias reuniões na tentativa de chegarem a um acordo, o que acabou não ocorrendo.

A área de Flandres, no norte da Bélgica, é mais rica que o sul, a Valônia, e seus partidos vêm pressionando para que a região tenha mais autonomia.

Notícias relacionadas