Taxa de desemprego chega a 20% na Espanha

Fila em agência de emprego de Madri, Espanha
Image caption Taxa de desemprego espanhola aumentou durante crise mundial

A taxa de desemprego na Espanha chegou a 20% pela primeira vez em cerca de 13 anos, de acordo com dados do governo divulgados nesta sexta-feira.

A agência nacional de estatísticas, INE, informou que, no final de março, o país tinha 4.612.700 pessoas fora do mercado de trabalho.

A taxa de desemprego espanhola aumentou muito durante a crise econômica mundial e é a maior na zona do euro.

Na quarta-feira, a Espanha teve sua nota de risco de crédito rebaixada de AA+ para AA pela agência de classificação Standard & Poor's.

Apesar de a Espanha ainda figurar entre os países considerados bons pagadores, com grau de investimento, a agência considerou que o país "deve passar por um período longo de crescimento menor, o que enfraquece seu orçamento", e cogita rebaixar ainda mais sua nota.

A economia espanhola encolheu em 0,1% no último trimestre de 2009. Em todo o ano, a diminuição da economia do país chegou a 3,6%.

De acordo com o editor de economia da BBC, Andrew Walker, o aumento do desemprego complica ainda mais a situação do governo espanhol, que já estava lutando para reduzir o déficit em suas finanças.

A Espanha, segundo Walker, é um país que já está sendo analisado de perto nos mercados financeiros e uma possível vítima do contágio da crise na Grécia.

A contas da Espanha ainda estão distantes da situação de crise que afetou a Grécia, pois sua dívida acumulada é bem menor. Mas, de acordo com Walker, o déficit em 2010 é grande, e os mercados financeiros ainda esperam que o governo espanhol apresente um plano convincente para diminuí-lo.

Taxa na zona do euro

Números oficiais da União Europeia mostraram que a taxa de desemprego na zona do euro permanece em 10%.

Este número equivale a 15,8 milhões de pessoas sem emprego. Já na União Europeia, a taxa de desemprego ficou em 9,6%, com 23,1 milhões fora do mercado de trabalho.

A Alemanha foi o único país do bloco no qual a taxa de desemprego caiu, de 7,4% para 7,3%.

A agência de estatísticas do bloco, a Eurostat, espera que a inflação na zona do euro chegue a 1,5% em abril, uma alta em comparação aos 1,4% registrados em março.