União Europeia discute mecanismos para evitar que crise financeira se espalhe

Image caption Darling (último à direita) disse que Londres não vai socorrer o euro

Ministros das Finanças de países da União Europeia discutiram no domingo em Bruxelas um "mecanismo de estabilização" para evitar que a crise grega se espalhe para outros países da zona do euro.

Eles discutiram permitir que países da zona do euro beneficiem-se também de fundos para crises do bloco, atualmente disponíveis apenas para países que não adotam a moeda.

As regras da União Europeia proibem pacotes de resgate financeiro para seus membros mas os ministros estariam estudando a ampliação de uma cláusula do Tratado de Lisboa, originalmente criada para permitir a ajuda a países de fora da zona do euro que estivessem atravessando sérias dificuldades, para que ela incluísse também nações do bloco.

Eles também discutiram um sistema de garantias bancárias, potencialmente avaliado em centenas de bilhões de euros.

Pela proposta, a Comissão Europeia contrairia os empréstimos diretamente junto ao mercado para garantir que o país membro em dificuldades honre seus compromissos com credores.

Consenso

Correspondentes dizem que o governo britânico concorda com os pacotes de emergência mas não com o sistema de garantia de empréstimos.

Antes de iniciar a reunião, o ministro das Finanças britânico, Alistair Darling disse que o Reino Unido não ajudaria na estabilização do euro.

"Com relação à Europa, existe uma proposta separada de tornar ajuda disponível a membros da zona do euro da mesma forma como ela existe para não-membros como Hungria e Romênia. Dadas as garantias corretas e o envolvimento do FMI, apoiamos isso", disse ele à BBC.

"Mas o que não faremos é fornecer ajuda ao euro, isso deve partir dos países que usam o euro."

No sábado Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogroup, órgão da União Europeia que controla o euro disse que os presentes na reunião devem "deixar claro que todos os países da zona do euro estão prontos para defender todo e qualquer país da zona do euro porque eles querem defender a região como um todo".

Grécia

Correpondentes dizem que decidir qual seria a participação de cada país-membro no mecanismo de estabilização pode ser um obstáculo.

Temores de que o sistema financeiro mundial pudesse paralisar-se caso a Grécia não honrasse suas dívidas causaram quedas em bolsas de todo o mundo.

Mas líderes europeus, junto com o FMI, aprovaram um empréstimo de US$ 140 bilhões para a Grécia no sábado.

Leia mais:FMI aprova empréstimo de US$ 40 bilhões para a Grécia

Na sexta-feira, banqueiros sugeriram que o Banco Central europeu compre bônus de governos da zona do euro, como um último recurso para estabilizar a moeda.

O presidente Americano, Barack Obama, disse desejar uma economia europeia estável.

"Estou muito preocupado com o que acontece com a Europa, mas acho que este é um assunto que os europeus também consideram muito sério", disse ele.