Hillary reforça ceticismo sobre possibilidade de acordo com Irã

William Hague (esquerda) e Hillary Clinton
Image caption EUA e Grã-Bretanha reforçaram a necessidade de sanções

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, reafirmou nesta sexta-feira o ceticismo de seu país quanto à possibilidade de o Irã mudar a postura em relação a seu programa nuclear por meio do diálogo e disse que conversou sobre o tema com o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim.

"Eu disse a meus colegas em muitas capitais ao redor do mundo que acredito que nós não vamos obter nenhuma resposta séria dos iranianos até que o Conselho de Segurança aja", disse Hillary em Washington durante a visita do ministro do Exterior do novo governo britânico, William Hague. No encontro, os dois países reforçaram apoio à aplicação de novas sanções.

Hillary comentou a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Teerã, na qual busca costurar um acordo para evitar a imposição de novas sanções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) contra o Irã.

Nesta sexta-feira, Lula se reuniu em Moscou com o presidente russo, Dmitri Medvedev, e disse estar otimista e acreditar que as chances de um acordo com o governo iraniano em relação ao programa nuclear são de "99,9%".

Medvedev, porém, disse acreditar que as chances de um acordo "são de 30%".

Leia mais na BBC Brasil: Lula diz confiar em sua experiência como negociador para convencer o Irã

Segundo Hillary, o diálogo entre Lula e Medvedev ilustra a dificuldade de se chegar a um acordo.

Última chance

Lula chega a Teerã na noite de sábado e se reúne com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, no domingo.

Na quinta-feira, o governo americano já havia deixado transparecer que a viagem de Lula é a última chance de diálogo antes da aplicação de novas sanções para pressionar o Irã a interromper seu programa de enriquecimento de urânio.

Leia: EUA dizem esperar que Brasil leve mensagem de pressão ao Irã

Medvedev reforçou essa ideia e disse que "se o Brasil não convencer o Irã, o Conselho de Segurança terá de seguir com as propostas do grupo dos seis", referindo-se ao chamado P5 + 1, que reúne Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, França, China e Alemanha.

O governo americano já manifestou diversas vezes seu ceticismo quanto à possibilidade de um acordo e disse que Ahmadinejad está apenas tentando ganhar tempo ao dizer que poderia aceitar a mediação de Lula.

Pressa

Os Estados Unidos têm pressa em aprovar uma quarta rodada de sanções do Conselho de Segurança para pressionar o Irã a interromper seu programa e já disseram esperar uma resolução em breve.

O argumento para as sanções é a suspeita de que o governo iraniano planeje secretamente desenvolver armas nucleares.

O governo iraniano nega as alegações. Teerã afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos, com o objetivo de gerar energia, e se recusa a interromper o enriquecimento.

O Brasil, que ocupa uma vaga rotativa no Conselho de Segurança, sem direito a veto, é contra as sanções e vem defendendo uma solução negociada para a questão.

Turquia

Ao lado do Brasil, a Turquia, outro membro temporário do Conselho de Segurança, também tenta costurar um acordo.

Em Moscou, Amorim disse que Brasil e Turquia já têm elementos para um acordo, que teria como base uma proposta feita no ano passado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Leia mais sobre as declarações do chanceler

A proposta, apresentada em outubro passado, é de que o Irã envie seu urânio a outros países para ser enriquecido a níveis suficientes para uso médico, mas não militar.

No entanto, exigências feitas pelo Irã, de que a troca ocorra em seu território e de maneira simultânea, têm impedido um acordo.

Notícias relacionadas