Nuvem vulcânica volta a fechar principais aeroportos de Londres

Cinzas vulcânicas
Image caption Cinzas de vulcão na Islândia levaram caos aéreo à Europa há um mês

Uma nuvem de cinzas vulcânicas levou a novo fechamento dos principais aeroportos de Londres – Heathrow, Gatwick e London City – na madrugada desta segunda-feira, além de forçar a suspensão de voos em partes da Escócia e da Irlanda do Norte.

A Autoridade de Aviação Civil britânica (Nats) proibiu voos pelo menos até as 7h (3h, em Brasiília) desta segunda-feira.

Já no norte do país, que já vinha sendo afetado pela nuvem vulcânica, as restrições de voo serão suspensas. Os aeroportos de Manchester, Liverpool e Leeds Bradford serão reabertos.

O Departamento de Transportes britânicos alertou que as restrições provocadas pelo deslocamento da nuvem de cinzas vulcânicas devem continuar pelo menos até a terça-feira.

Passageiros estão sendo aconselhados a ligara para as suas empresas aéreas antes de sair de casa.

'Piada'

O milionário Richard Branson, dono da Virgin Atlantic, classificou a decisão de fechar o aeroporto de Manchester como "além de uma piada".

"Todos os voos de teste de companhias aéreas, fabricantes de aeronaves e motores não mostraram qualquer indício d que as companhias não poderiam continuar a voar com total segurança", disse.

Representantes da British Airline também criticaram a medida, considerada "restritiva demais", e defendendo o direito de cada empresa decidir se é seguro voar ou não.

A Nats usa dados do departamento de meteorologia do governo para decidir onde o espaço aéreo deve ser fechado. As previsões mais recentes indicam que a nuvem de cinza vulcânica poderia se espalhar ainda mais pela Grã-Bretanha na segunda e na terça-feira.

No mês passado, as cinzas expelidas por um vulcão na geleira de Eyjafjallajokull, na Islândia, provocaram o fechamento do espaço aéreo em diversos países da Europa.

Milhares de voos foram adiados e cancelados, gerando um caos aéreo no continente e prejuízos para as companhias aéreas.

Leia também: Companhia é multada por não ajudar passageiros em caos aéreo europeu

Notícias relacionadas