Premiado em Madri, Lula diz que se preocupa com ego diante de elogios

O presidente Lula
Image caption Lula recebeu o prêmio em um evento na capital espanhola

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, durante evento em que recebeu um prêmio em Madri, que se sentia orgulhoso e que precisaria, portanto, controlar o ego.

Lula encerrou sua participação na 6ª Cúpula União Europeia, América Latina e Caribe em Madri recebendo o prêmio Nova Economia Fórum, entregue pela ONG espanhola que tem o mesmo nome e que reúne representantes independentes de política, economia, comunicação e sociedade civil.

Brincando com a plateia, Lula disse estar "muito comovido com o prêmio. Muitas vezes eu escuto discursos das pessoas me elogiando e fico preocupado. O ego vai crescendo".

Olhando para a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, Lula disse sorrindo que pediu a governante que usasse "um alfinete na cadeira para que o ego não tome conta” dele.

Lula se referiu às últimas pesquisas de opinião pública e afirmou que "não é fácil para um presidente, nem do Brasil, nem de nenhum lugar do mundo, sair do governo com 88% de aprovação".

Elites

Sem citar nomes, o presidente citou a elite brasileira, reivindicou o passado de metalúrgico e criticou os que não acreditavam que ele chegaria ao cargo de governante do país sem títulos acadêmicos.

"Muito mais do que um curso de doutor, as pessoas precisam ter cursos de inteligência e sensibilidade para dirigir um país."

Ainda na parte improvisada do discurso, Lula fez também uma despedida de mandato, declarando que deixa o governo "com a consciência tranquila" pelos resultados políticos, econômicos e sociais.

"O legado que estou deixando é que eu despertei no mais humilde dos brasileiros, despertei na consciência dele, que ele pode chegar à Presidência da República. É só ele querer e se preparar", acrescentou.

Conclusões da Cúpula

A Cúpula da União Europeia, América Latina e Caribe terminou com uma declaração conjunta dos governantes com 43 itens.

Os representantes dos 60 países participantes se comprometeram em trabalhar de maneira conjunta em temas como desarmamento nuclear, energias renováveis, objetivos do milênio, ajuda aos países mais pobres, combate à corrupção e ao tráfico de drogas, armas e seres humanos.

Quanto aos acordos, foram fechados pactos entre a UE e o Caricom (grupo de nações do Caribe), UE e América Central e estabelecida a promessa da retomada de negociações entre a UE e o Mercosul até o fim de julho de 2010.

Nesta quarta-feira o presidente Lula participa de um seminário sobre economia promovido pelo jornal espanhol El País com outros ministros brasileiros.