Detidos em NY são acusados de terrorismo

Polícia de NY
Image caption Polícia realizou buscas nas casas dos suspeitos

A polícia dos Estados Unidos acusou de terrorismo dois suspeitos detidos no sábado à noite no aeroporto JFK, de Nova York, quando tentavam embarcar para a Somália em voos separados.

Segundo as autoridades americanas, Mohamed Mahmood Alessa, de 20 anos, e Carlos Eduardo Almonte, de 24 anos, pretendiam se unir a um grupo militante na Somália com o objetivo de matar soldados americanos atuando no país africano.

Os Estados Unidos apoiam um governo de transição no país e, há algum tempo, o Pentágono suspeita de que seus soldados na Somália poderiam ser alvo de grupos militantes.

Os suspeitos, ambos de Nova Jérsei e, aparentemente, com cidadania americana, vinham sendo investigados há quatro anos e devem comparecer a um tribunal federal em Newark na segunda-feira.

Eles são acusados de conspiração para matar, mutilar e sequestrar pessoas fora dos Estados Unidos, quando se juntassem ao grupo al-Shabab, baseado na Somália e ligado à rede al-Qaeda. O grupo foi designado pelo governo americano como uma organização terrorista em 2008.

Um agente disfarçado do Departamento de Polícia de Nova York teria gravado conversas entre os dois em que eles teriam falado sobre matar americanos.

Preparação

Alega-se que Alessa e Almonte teriam assistido a imagens de ataques contra soldados americanos e atentados suicidas na internet e ouvido gravações de mensagens de Anwar al-Awlaki - um clérigo radical americano de ascendência iemenita ligado a uma série de atentados e complôs ao redor do mundo – em que ele promovia a guerra santa violenta e justificava a morte de civis.

A polícia acredita que os dois suspeitos planejaram a viagem para a Somália por vários meses, juntando milhares de dólares, praticando táticas de combate em campos de paintball e em jogos de realidade virtual e adquirindo equipamento e roupas para serem usados depois que eles se unissem ao al-Shabab.

O comissário de polícia de Nova York Raymond Kelly disse em um comunicado: “Também ficamos preocupados com o fato de que se eles não tivessem sido detectados e não tivessem alcançado suas aspirações internacionais, eles poderiam atacar em território doméstico, o que foi discutido como uma possibilidade neste caso”.

O comentário, aparentemente, se refere a uma suposta conversa em que Alessa teria dito: “Vamos começar a matar por aqui se não conseguirmos fazê-lo por lá”.

Os suspeitos foram detidos em Nova York depois de duas tentativas fracassadas de atentados contra os Estados Unidos nos últimos meses: a de explodir um carro bomba em Times Square, no mês passado, e a de explodir uma bomba no dia de Natal a bordo de um avião que seguia para Detroit.

Notícias relacionadas