Prisioneiro que comeu pulmão de colega de cela é condenado a 30 anos de prisão

Nicolas Cocaign
Image caption Cocaign disse que fez repetidos apelos por ajuda psicológica

A Justiça da França condenou a 30 anos de prisão um homem que matou seu companheiro de cela e comeu partes de seu corpo.

Nicolas Cocaign, conhecido como 'canibal de Rouen', admitiu ter espancado e esfaqueado Thierry Baudry, antes de asfixiá-lo com um saco plástico. O crime ocorreu em uma prisão na cidade de Rouen, na Normandia, em 2007.

A briga teria sido motivada por uma discussão sobre o estado do banheiro da cela.

O canibal, que cumpria sentença por estupro na época do incidente, foi condenado por assassinato acompanhado de atos de tortura e brutalidade.

No processo de quatro dias, a Justiça recebeu detalhes de como Cocaign abriu o peito de seu companheiro de cela utilizando uma lâmina de barbear e cortou o que pensou ser seu coração.

Na verdade, Cocaign extraiu o pulmão de Baudry, que comeu em parte cru, em parte frito com cebolas em um fogão portátil.

Em favor do réu, a defesa havia alegado problemas mentais.

"Cocaign matou Baudry porque ele é insano, totalmente insano", sustentou o advogado Fabien Picchiottino.

O réu disse à Justiça que as autoridades penitenciárias ignoraram repetidamente seus pedidos de ajuda psicológica.

"Ninguém me ouvia. Apelei diversas vezes por ajuda, dizendo que era um homem potencialmente perigoso. Eu tomei medidas, mas eles não me levaram a sério", afirmou Cocaign.

Durante o julgamento, ele pediu perdão à mãe e às irmãs de Baudry.

A acusação rejeitou as alegações de insanidade.

"Um homem que mergulha em horrores não é necessariamente afligido pela loucura", afirmou a advogada da acusação, Elizabeth Pelsez.