Estados Unidos

Tempestade Alex atrasa limpeza de vazamento no Golfo do México

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Parte das operações de limpeza do vazamento de petróleo no Golfo do México foram adiadas nesta terça-feira devido à passagem da tempestade tropical Alex na região.

Os barcos que retiram o petróleo da superfície do mar na região tiveram que voltar para a costa de Estados como Louisiana, Mississippi, Flórida e Alabama, pois as rajadas de ventos e ondas altas fazem com que a operação não seja segura.

Mas a captura do petróleo no local do vazamento ainda continua, apesar da tempestade.

Dezenas de milhares de barris de petróleo vazaram todos os dias desde a explosão e afundamento da plataforma Deepwater Horizon, da companhia petroleira britânica BP, em abril.

Um poço está sendo perfurado perto de onde está ocorrendo o vazamento para tentar parar o fluxo de petróleo e, de acordo com a direção da BP, este poço deve ficar pronto até o começo de agosto.

Uma cápsula colocada pela BP para capturar parte do petróleo que está vazando do oleoduto está coletando até 25 mil barris de petróleo por dia e enviando tudo para dois navios, na superfície.

A BP esperava coletar até 53 mil barris por dia, ligando o mecanismo a outro cargueiro, mas o vice-presidente do setor de exploração e produção da BP, Kent Wells, afirmou que as condições climáticas geradas pela passagem da tempestade Alex podem causar problemas.

Wells afirmou que o mar agitado poderá atrasar em até uma semana a conexão do novo sistema de captura de petróleo.

De acordo com o Centro Nacional de Furações dos Estados Unidos, a tempestade Alex está se intensificando lentamente e deve se transformar no primeiro furacão da estação.

Barcos retiram petróleo da superfície marítima no Golfo do México

Interrupções na operação de limpeza devido a tempestades já tinham sido previstas

Meteorologistas esperam que a tempestade chegue à costa perto da fronteira entre o Estado americano do Texas e o México na manhã de quinta-feira.

Prejuízo

A BP informou na segunda-feira que os custos das operações de limpeza do vazamento de petróleo no Golfo do México chegaram a US$ 2,65 bilhões (cerca de R$ 4,7 bilhões).

De acordo com a BP, este custo inclui a reação ao vazamento, a contenção do petróleo, perfurações de poços para aliviar o fluxo do vazamento, doações para os Estados americanos do Golfo do México e indenizações.

O custo diário aumentou para uma média de US$ 100 milhões nos últimos três dias, a média diária mais alta até o momento.

A BP informou que mais de 39 mil pessoas estão envolvidas na operação de resposta ao desastre, no entanto o petróleo do vazamento chegou às praias da cidade de Biloxi, às margens do rio Mississippi.

Mais de 80 mil pedidos de indenização foram entregues à companhia até o momento e a BP já teria feito 41 mil pagamentos, em um total que chegou a US$ 128 milhões (cerca de R$ 227,8 milhões).

O acidente na plataforma da BP, a Deepwater Horizon, ocorreu em abril e matou 11 funcionários. Desde então, o vazamento resultante do acidente vem despejando milhares de barris de petróleo na região do Golfo do México diariamente.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.