Senado dos EUA confirma Petraeus no comando no Afeganistão

General David Petraeus (arquivo)
Image caption Petraeus afirma que os EUA não vão abandonar o Afeganistão em 2011

O Senado americano aprovou nesta quarta-feira, por unanimidade, o nome do general David Petraeus para assumir o comando das forças lideradas pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no Afeganistão.

Petraeus, que será o principal comandante militar americano no Afeganistão, foi o escolhido pelo presidente Barack Obama para substituir o general Stanley McChrystal.

Obama demitiu McChrystal na semana passada, depois que críticas feitas pelo general a membros do governo vieram a público e foram publicadas pela revista Rolling Stone.

Petraeus, de 57 anos, ocupava o cargo de chefe do Comando Central dos Estados Unidos e é respeitado por democratas e republicanos, especialmente por causa de sua atuação à frente das forças americanas no Iraque.

Apesar das divisões dentro do Congresso americano sobre as estratégias de Obama no Afeganistão, o nome do general foi aprovado por todos os 99 membros do Senado - uma cadeira está vaga desde a morte do senador Robert Byrd, na segunda-feira.

Combates

Na terça-feira, ao ser questionado pelos membros da Comissão de Serviços Armados do Senado, Petraeus disse acreditar que os combates no Afeganistão vão se tornar mais intensos nos próximos meses.

Leia mais na BBC Brasil sobre as declarações do general

Nesta quarta-feira, membros do Talebã atacaram uma base da Otan na região da cidade de Jalalabad, no leste afegão. Vários insurgentes morreram no incidente.

Leia mais sobre o ataque

O general disse que apoia o plano de Obama de retirar as forças americanas do Afeganistão em julho de 2011 que vem, mas afirmou que a data marca apenas “o começo de um processo” e que os Estados Unidos ainda terão de fornecer assistência ao governo afegão por um longo período.

Petraeus também disse que vai dar atenção às regras de engajamento (que determinam em que situações a força pode ser usada em operações militares ou policiais).

Novas regras adotadas recentemente reduziram o número de ataques aéreos e também de mortes de civis no Afeganistão.

No entanto, as regras são criticadas por muitos militares, sob o argumento de que aumentaram os riscos para os soldados americanos em solo afegão.

Notícias relacionadas