Triplo ataque suicida mata pelo menos 35 pessoas no Paquistão

Templo em Lahore foi atingido por três explosões
Image caption Templo em Lahore foi atingido por três explosões

Pelo menos 35 pessoas morreram e outras 170 ficaram feridas nesta quinta-feira em um ataque suicida triplo contra um templo muçulmano sufi na cidade de Lahore, no leste do Paquistão.

Três suicidas detonaram explosivos que levavam em diferentes partes do popular templo, o Data Darbar. Milhares de pessoas estavam no local no momento da explosão.

Khusro Pervez, comissário de Lahore, afirmou que duas das explosões atingiram o salão principal e uma delas ocorreu no nível mais baixo do templo.

Pervez afirmou que um suicida escolheu uma área subterrânea na qual os visitantes dormem e se preparam para as orações. Enquanto as pessoas fugiam, um segundo suicida detonou seus explosivos na área do andar de cima.

Ainda não se sabe quem são os responsáveis pelos ataques desta quinta-feira.

O templo guarda os restos de um santo sufista, Abul Hassan Ali Hajvery, e é visitado por centenas de milhares de pessoas por ano, tanto muçulmanos sunitas como xiitas.

O sufismo é a corrente mística do Islã. Diferentemente de outros muçulmanos, seus seguidores procuram uma ligação direta com Alá por meio de cânticos ou danças, por exemplo.

Histórico de ataques

Lahore foi atingida por uma série de ataques, incluindo a explosão em um escritório de combate ao terrorismo em março, no qual 13 pessoas morreram.

Em maio mais de 80 pessoas foram mortas em um ataque duplo contra a minoria ahmadi (membros de um movimento religioso muçulmano) da cidade.

De acordo com o correspondente da BBC em Islamabad Aleem Maqbool, antes do ataque desta quinta-feira, os chefes do setor de segurança estavam satisfeitos com o fato de que este era o primeiro mês em dois anos no qual não ocorreu nenhum ataque suicida no Paquistão.

As autoridades afirmaram que isto era prova de que as redes de militantes tinham sido desmanteladas. Mas, segundo Maqbool, a maioria dos paquistaneses sabia que a batalha contra os militantes no país está longe de ser encerrada.

Notícias relacionadas