EUA fecham vagas de trabalho, mas desemprego cai para 9,5%

Feira de empregos em Orange County, Califórnia
Image caption Desemprego caiu após saída de milhares do mercado de trabalho

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu de 9,7% para 9,5% em junho, a menor deste ano, mas os dados foram recebidos com cautela, em meio ao fechamento de 125 mil vagas de trabalho no mês.

A redução da taxa de desemprego não é necessariamente uma boa notícia, segundo economistas, porque se deve à saída de 652 mil pessoas do mercado de trabalho, já que nos Estados Unidos o cálculo inclui apenas aqueles que estão desocupados, mas seguem procurando por uma vaga, e não os que desistiram de encontrar emprego.

Segundo o relatório do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulgado nesta sexta-feira, o fechamento de 125 mil postos de trabalho em junho ocorreu principalmente por conta do fim dos contratos temporários para a realização do Censo.

Em maio, haviam sido geradas 433 mil vagas, segundo o número revisado divulgado nesta sexta-feira, também por influência das contratações para o Censo.

O setor privado gerou 83 mil vagas em junho, um salto em relação às 33 mil de maio, mas abaixo do esperado pelo mercado, que apostava na criação de mais de 100 mil postos de trabalho.

As contratações do setor privado são observadas atentamente, por serem consideradas um termômetro da recuperação da economia.

“Direção certa”

Ao comentar os resultados, o presidente Barack Obama disse que os Estados Unidos estão “na direção certa”, mas ainda sem a velocidade suficiente.

“Estamos na direção certa, mas ainda não estamos nos movendo rapidamente o suficiente para muitos americanos”, disse Obama.

O desemprego é um dos maiores desafios da agenda doméstica de Obama, e o próprio governo já disse que a taxa deve permanecer ao redor de 10% ao longo do ano.

Segundo os dados divulgados nesta sexta-feira, 14,6 milhões de pessoas estão desempregadas e procurando trabalho nos Estados Unidos.

“Em 9,5%, a taxa de desemprego está agora 0,6 ponto percentual abaixo de seu pico no ano passado”, disse a presidente do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, Christina Romer.

“A queda na taxa de desemprego foi provocada em grande parte por uma substancial declínio na força de trabalho, que nós esperamos seja revertido à medida que o panorama de emprego melhore”, afirmou.

Segundo economistas, os dados desta sexta-feira mostram que a recuperação da economia americana ainda está lenta.

“O relatório de empregos de junho poderia ter sido pior, mas não foi bom”, disse o economista-chefe da consultoria IHS Global Insight, Nigel Gault.

“É o último de uma série de dados que mostram que a economia perdeu aceleração. Mas isso não significa que vamos ter um duplo mergulho”, disse Gault, referindo-se ao temor de alguns economistas de que, após uma leve recuperação, o país mergulhe novamente em recessão.

Notícias relacionadas