Forças da ONU podem substituir EUA no Iraque, diz general americano

Raymond Odierno
Image caption Odierno sugeriu que tropas americanas podem ficar no Iraque após 2011

O principal comandante militar americano no Iraque, o general Ray Odierno, sugeriu que uma força de paz internacional comandada pelas Nações Unidas pode ser necessária no país quando as tropas dos EUA encerrarem sua missão iraquiana.

Falando à agência de notícias Associated Press, Odierno disse que a medida pode ser necessária se as tensões entre árabes e curdos não forem resolvidas e as Forças Armadas iraquianas não acomodarem as duas etnias.

"Se não integrarmos, devemos pensar em outros mecanismos. Seria o capítulo 6 das Nações Unidas? Não sei", disse ele, referindo-se ao estatuto da ONU que prevê forças de paz.

Os curdos disputam três províncias do Iraque, ricas em petróleo, que desejam incluir no curdistão iraquiano, área semi-autônoma do norte do país.

O ex-líder iraquiano Saddam Hussein expulsou dezenas de milhares de curdos, subsitituindo-os por árabes. As tensões entre os dois grupos não explodiram desde a invasão liderada pelos EUA em 2003, mas vêm sendo apontadas como uma das maiores ameaças em potencial para a unidade do país.

Após confrontos entre os dois grupos em 2008, Odierno ordenou a criação de postos de controle, administrados por ambas as etnias, para mantê-las separadas. O general disse que a iniciativa poderia ajudar a integrar curdos nas forças armadas para lutar contra um inimigo comum, a rede Al Qaida.

Existem cerca de 77.500 soldados americanos no Iraque atualmente e um acordo firmado entre os dois países prevê que todas as forças dos EUA deixem o território iraquiano até o final de 2011.

Mas Odierno deixou em aberto a possibilidade de alguns militares americanos permanecerem no país.

"Não vejo uma grande presença americana aqui. Eles podem querer nossa ajuda técnica, mas é decisão deles, não nossa", disse ele.

Notícias relacionadas