Coreia do Norte comemora declaração da ONU sobre afundamento de navio do sul

Resgate do Cheonan (arquivo)
Image caption Afundamento do Cheonan aumentou tensões na região

A Coreia do Norte afirmou nesta sexta-feira que a declaração do Conselho de Segurança da ONU que condenou o afundamento de um navio de guerra da Coreia do Sul, mas evitou culpar o governo norte-coreano, foi uma "vitória".

Um comunicado do Conselho de Segurança da ONU condenou o ataque que causou o afundamento em março do navio de guerra da Coreia do Sul Cheonan, matando 46 marinheiros sul-coreanos.

Mas, a declaração também "reconhece" a insistência de Pyongyang de que a Coreia do Norte "não teve nada a ver com o incidente".

A declaração do Conselho de Segurança afirma que o ataque de 26 de março colocou em perigo "a paz e segurança na região e além".

A declaração da ONU também elogia a "moderação" do governo da Coreia do Sul desde o incidente e pediu por "medidas pacíficas e apropriadas contra os responsáveis" pelo afundamento.

‘Vitória’

O embaixador norte-coreano na ONU, Sin Son-ho, afirmou a jornalistas em Nova York que o texto era uma "grande vitória diplomática".

"Desde o começo do incidente deixamos nossa posição clara de que este incidente não tem nada a ver conosco", disse.

Para Sin Son-ho, o Conselho de Segurança não deveria ter nem discutido o incidente.

"Hoje o Conselho de Segurança não conseguiu fazer um julgamento correto ou tirar conclusões sobre o caso, pois o Conselho de Segurança debateu incidentes confusos precipitadamente. Normalmente, este incidente deveria ter sido resolvido entre as Coreias do Sul e do Norte, desde o começo, sem precisar ser levado para a ONU", afirmou.

Posicionamento claro

Para o embaixador da Coreia do Sul na ONU, Park In-Kook, no entanto, a declaração do Conselho de Segurança foi clara.

"Acho que está claro como cristal, o Conselho de Segurança deixou claro que é a Coreia do Norte que tem que ser culpada e condenada", afirmou.

A embaixadora dos Estados Unidos na organização, Susan Rice, também acredita que o Conselho de Segurança não abriu espaço para ambiguidades.

"A mensagem para a liderança norte-coreana é clara. O Conselho de Segurança condena e deplora este ataque, alerta contra quaisquer ataques futuros e insiste na total aderência ao Acordo de Armistício Coreano", disse Rice.

Em junho o presidente americano, Barack Obama, afirmou que o Conselho de Segurança tinha que garantir que haveria "um reconhecimento claro de que a Coreia do Norte demonstrou um comportamento hostil que é inaceitável para a comunidade internacional".

Por isso, alguns analistas afirmam que a declaração do Conselho de Segurança da ONU desta sexta-feira não atendeu aos pedidos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos.

De acordo com a correspondente da BBC em Washington Kim Ghattas, a declaração do Conselho de Segurança da ONU foi cuidadosa e conseguiu manter o apoio da China.

Ghattas afirma que o governo chinês teria vetado qualquer resolução que condenasse seu aliado, a Coreia do Norte.

Notícias relacionadas