Cartel de tráfico de drogas explode carro-bomba no México

Carro-bomba explodiu no centro de Ciudad Juárez (foto: AP)
Image caption Carro-bomba explodiu no centro de Ciudad Juárez (foto: AP)

As autoridades mexicanas informaram que uma explosão que ocorreu na quinta-feira e matou quatro pessoas em Ciudad Juárez, na fronteira com os Estados Unidos, foi na verdade um ataque com carro-bomba.

Este seria o primeiro ataque deste tipo desde que o presidente mexicano, Felipe Calderón, assumiu o poder em 2006, prometendo combater os cartéis do tráfico de drogas no país.

Dois policiais e dois paramédicos foram mortos e pelo menos outras 16 pessoas ficaram feridas no ataque, de acordo com informações da polícia.

"Havia dez quilos de explosivos que foram ativados à distância, com um telefone celular", afirmou o porta-voz do Exército em Ciudad Juárez, Enrique Torres.

Policiais federais

Segundo o correspondente da BBC na Cidade do México, Julian Miglierini, o ataque de quinta-feira teria como alvo policiais federais.

Segundo informações, policiais e paramédicos respondiam a um chamado de emergência no centro da cidade e, quando chegaram ao local, ocorreu a explosão.

O grupo La Línea, braço armado do cartel de Juárez, assumiu a responsabilidade pelo ataque.

A polícia afirma que o ataque foi uma retaliação pela prisão do líder do grupo, Jesus Acosta Guerrero.

Segundo o correspondente da BBC, o ataque com carro-bomba marca um agravamento sem precedentes no conflito entre forças do governo e cartéis do tráfico de drogas no México, pois o uso de explosivo em ataques, por parte dos cartéis, até o momento tinha sido limitado.

Ciudad Juárez fica a pouca distância da cidade de El Paso, já no Estado americano do Texas, e tem sido o campo de batalha para os cartéis que lutam pelo controle das rotas de tráfico para os Estados Unidos.

Mais de 7 mil pessoas já morreram devido à violência relacionada ao tráfico de drogas no México apenas em 2010. Quase 25 mil foram mortas nos últimos três anos e meio, de acordo com números divulgados pelo gabinete do procurador geral, Arturo Chavez, nesta sexta-feira.

Chavez afirma que o aumento nos números mostra que os cartéis estão sob pressão devido ao combate ao tráfico feito pelo governo.

O presidente Calderón enviou milhares de soldados para retomar o controle de áreas do país dominadas pelos cartéis.

Notícias relacionadas