Queniano é preso na Tanzânia por tentar vender albino para bruxaria

Crianças albinas na África
Image caption Feiticeiros na Tanzânia usam partes de albinos em poções

A polícia da Tanzânia prendeu um queniano acusado de tentar negociar a venda de um homem albino.

A prisão ocorreu após um policial fingir ser um negociante tentando comprar órgãos de pessoas albinas para serem usadas em rituais de feitiçaria.

A polícia diz que Nathan Mutei, de 28 anos, enganou o albino Robinson Mkwama, de 20 anos, prometendo um emprego na Tanzânia como assistente de motorista de caminhão.

Mas, na verdade, Mutei estava, segundo a polícia, buscando compradores para Robinson. Um negócio de mais de US$ 250 mil teria sido fechado com o policial que fingiu ser um comprador.

Mutei deve comparecer diante de um tribunal nesta quarta-feira, acusado de tráfico de pessoas.

Crimes

O correspondente da BBC para o leste africano, Will Ross, afirma que partes de corpos de albinos são usadas na Tanzânia por feiticeiros que dizem a seus clientes preparar poções que os tornariam mais ricos ou saudáveis.

Nos últimos três anos, mais de 50 albinos - entre crianças e adultos - foram mortos na Tanzânia. O governo prometeu combater este tipo de crime.

Segundo Ross, no entanto, a Justiça no país é lenta e apenas sete pessoas foram condenadas até agora.

Notícias relacionadas