Iraque é 'independente' com fim de ações de combate dos EUA, diz premiê

Joe Biden em Bagdá
Image caption Biden: '(Os iraquianos) vão ficar bem'

O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, afirmou nesta terça-feira que o anúncio formal do fim das operações de combate dos EUA no país restaura a soberania iraquiana e torna seu país "independente".

A declaração, em cadeia nacional de rádio e TV, foi feita horas após a chegada a Bagdá do vice-presidente dos EUA, Joe Biden. O vice de Barack Obama fez uma visita surpresa ao Iraque para marcar o fim da missão americana, que ocorrerá à meia-noite desta terça-feira (18h de Brasília).

Nos EUA, Obama fará um pronunciamento pela TV sobre a situação no Iraque.

"O Iraque hoje é soberano e independente", disse Maliki. "Nossas forças de segurança tomarão a frente para garantir a segurança e salvaguardar o país, e eliminar todas as ameaças que o país tenha que suportar, internas ou externas".

A violência no Iraque arrefeceu em relação ao ápice alcançado durante o conflito sectário de 2006-2007, apesar de o número de mortes de civis ter aumentado agudamente em julho.

Ataques quase diários às forças iraquianas e a políciais de tráfego em Bagdá e na província de Anbar, a Oeste da capital, mataram mais de 85 pessoas nas três primeiras semanas de agosto.

As últimas brigadas de combate americanas deixaram o Iraque há cerca de duas semanas, antes do prazo de 31 de agosto estabelecido por Obama para a redução das tropas no país.

Cerca de 50 mil soldados americanos permanecerão no Iraque. Eles terão como principal missão dar apoio às forças de segurança iraquianas e não participarão de missões de combate sem pedido formal das autoridades iraquianas - a não ser que precisem agir em autodefesa.

Visita surpresa

Biden encontrou-se com o premiê iraquiano. Fontes da Casa Branca disseram que o vice dos EUA pressionaria pelo fim do impasse que tomou conta do Iraque após as eleições do dia 7 de março, que terminaram sem vencedor.

Mais de cinco meses depois, ainda não foi formado um novo governo. Os ataques de insurgentes aumentaram no país, em meio ao clima de instabilidade política.

O objetivo oficial da visita de Biden é representar o governo Obama na cerimônia de "Mudança de Comando e Mudança de Missão", programada para a quarta-feira - quase sete anos e meio após a invasão do Iraque, em março de 2003.

Notícias relacionadas