Mestres do feng shui criam associação após escândalos na China

Tony Chan e seu advogado, Jonathan Midgley, em Hong Kong (feveereiro, 2010/AFP)
Image caption Tony Chan foi preso por falsificar o testamento de uma bilionária

Mestres da técnica chinesa do feng shui em Hong Kong decidiram criar a primeira associação do mundo com a missão de regulamentar a profissão depois de uma série de escândalos no território chinês.

A milenar prática chinesa, que tenta melhorar a energia de um ambiente mudando a disposição dos objetos e móveis, é muito respeitada no território chinês, onde os seguidores geralmente pagam muito caro aos consultores pelo aconselhamento.

Justamente por isso, os mais importantes mestres de feng shui locais estão preocupados e constrangidos pelos recentes escândalos envolvendo seguidores da técnica.

Em um deles, Tony Chan, mestre de feng shui e namorado de uma das viúvas mais ricas da Ásia, Nina Wang, foi preso em fevereiro depois de ter falsificado o testamento dela para tentar herdar uma fortuna de US$ 4,2 bilhões.

Além disso, também foi descoberto que vários homens que alegavam ser mestres em feng shui em Hong Kong convenceram mulheres a manter relações sexuais com eles com a promessa de conseguir boa sorte e fama.

O mestre de feng shui Szeto Fat-ching disse a jornalistas que ele e alguns dos mais conhecidos consultores da cidade resolveram criar a associação para centralizar e divulgar os ensinamentos do feng shui.

Segundo Szeto, os mestres que desobedecerem as regras da associação ou os charlatões serão expulsos da associação e, como consequência, suas carreiras serão encerradas.

O órgão, que recebeu o nome de Associação Internacional de Metafísica Taoísta, deve começar seus trabalhos em dezembro.