Líder norte-coreano promove seu filho a general

Delegados do Partido dos Trabalhadores chegam a Pyongyang
Image caption Partido dos Trabalhadores se reúne em massa pela primeira vez em 30 anos

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, nomeou para o posto de general o seu filho Kim Jong-un, informou nesta segunda-feira a agência de notícias estatal norte-coreana.

O anúncio ocorre enquanto o Partido Comunista, que controla a política norte-coreana, se prepara para iniciar o seu maior encontro em trinta anos e em meio a rumores de que Kim Jong-il prepara o filho para sucedê-lo.

É a primeira vez que Kim Jong-un, o terceiro filho do líder norte-coreano, teve seu nome citado pela imprensa oficial do país.

Ainda que o governo norte-coreano não comente o assunto, acredita-se que a saúde de Kim Jong-il, 68 anos, esteja seriamente debilitada. Ele teve um derrame há dois anos e já viajou várias vezes à China para se tratar.

O encontro do Partido Comunista começa nesta terça-feira e tem o objetivo de instaurar um novo grupo de liderança no país.

Imagens divulgadas pela imprensa norte-coreana nesta segunda-feira mostram filas de delegados chegando em Pyongyang, a capital do país.

A ascensão de Kim

Segundo Andre Lankov, especialista em Coreia do Norte da Universidade Jung-min, em Seul (Coreia do Sul), a conferência deve tratar da sucessão.

“A lógica é simples: este é o primeiro grande encontro do partido em 30 anos, e o último que ocorreu em 1980 marcou o momento em que o próprio Kim Jong-il foi apontado como sucessor oficial do seu pai. Ele pode estar prestes a usar o mesmo truque”, diz Lankov.

A chegada de Kim Jong-il ao poder se iniciou na última conferência do partido, em 1980, quando ele foi nomeado a vários cargos importantes. Ele acabou se tornando o líder máximo quando o seu pai, Kim Il-sung, morreu, em 1994.

Pouco se sabe de Kim Jong-un, que teria cerca de 25 anos e foi educado na Suíça.

Segundo analistas, a sua pouca experiência será um desafio à sucessão.

Notícias relacionadas