Com infecção, Lugo chega a São Paulo para tratamento de emergência

Fernando Lugo
Image caption Lugo em imagem de arquivo: viagem de emergência a São Paulo

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, que sofre de câncer linfático, chegou neste sábado a São Paulo, onde foi internado no hospital Sírio-Libanês para um tratamento de emergência por conta de uma "infecção de risco na faringe”.

Lugo, 59, que já estava hospitalizado em Assunção, deverá ser submetido a exames para uma possível “drenagem cirúrgica”. Os médicos do mandatário disseram que ele padece de um quadro de “angio-edema”.

Neste sábado, Eugenio Báez, infectologista que está tratando o presidente, disse aos jornalistas que exames identificaram a presença de “líquidos na faringe que têm a característica de um processo infeccioso. É uma zona de risco e delicada, porque há a possibilidade de (o líquido ir) para os pulmões”. Um procedimento cirúrgico deve ser necessário para drenar esse fluido.

'Compressão'

Desde quinta-feira, segundo Báez, Lugo estava se tratando para reduzir o edema e evitar “uma compressão que o impedisse de respirar”.

Mas, como não houve uma “evolução significativa” no quadro, Lugo e seus médicos decidiram que o presidente deveria vir a São Paulo, onde pode permanecer internado por ao menos cinco dias.

O presidente em exercício, o vice Federico Franco, disse à imprensa local que Lugo está “bem, lúcido”, e que deu instruções para que seus ministros “sejam postos a trabalhar” na segunda-feira.

Segundo Báez, infecções não são incomuns durante o tratamento, já que o sistema imunológico do paciente está debilitado e especialmente porque "ele (Lugo) tinha um pequeno problema dentário, e (a boca) é uma região por onde infecções podem entrar".

Lugo, cujo mandato vai até 2013, tem câncer em estado avançado, mas com alta probabilidade de cura, disseram seus médicos quando anunciaram o diagnóstico da doença, em agosto.

A última internação de Lugo no Sírio-Libanês fora no dia 24, para sua terceira sessão de quimioterapia.

Notícias relacionadas