França

Violência aumenta em protestos contra reforma da previdência na França

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Manifestantes entraram em confronto com a polícia nesta terça-feira em diversos pontos da França, em um aumento da violência nos protestos contrários à reforma da Previdência proposta pelo governo.

Nos subúrbios de Paris e na cidade de Lyon, no sul do país, jovens incendiaram carros e jogaram pedras contra policiais, que responderam com gás lacrimogêneo.

A polícia estima que cerca de 500 mil pessoas participam das manifestações em todo a França.

Este é o sexto dia de protestos no país desde setembro.

O objetivo dos manifestantes é pressionar o governo para que desista de elevar a idade mínima para aposentadoria de 60 para 62 anos, e de 65 para 67 anos a idade para o recebimento de aposentadoria pública total.

Sarkozy

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, pediu ações duras contra os manifestantes que recorrerem à violência.

Na segunda-feira, ele afirmou que não abrirá mão da reforma, mesmo com a escalada dos protestos.

“Essa reforma é essencial e a França irá implementá-la”, disse Sarkozy. “É perfeitamente normal que haja preocupação e oposição em relação a ela.”

Ainda na segunda-feira, o governo anunciou a formação um gabinete de crise com ministros para adotar medidas de emergência.

O projeto de reforma da Previdência deve ser votado pelo Senado ainda nesta semana. Embora a aprovação seja esperada para a quarta-feira, é possível que o debate se alongue até o fim de semana.

França vive sexto dia de protestos desde setembro. Foto: AFP

Em Lyon, policiais observam lata de lixo em chamas durante protesto

Segundo uma pesquisa publicada pelo jornal Le Parisien, 52% dos franceses se dizem favoráveis a uma nova onda de greve. O número chega a 72% quando perguntados se têm simpatia pelo movimento.

Atrasos em trens e voos

Devido aos distúrbios, diversas escolas tiveram que suspender as aulas.

Além dos casos de violência, greves causam problemas no sistema de transportes - vários trens estão parados e muitos voos foram atrasados ou cancelados.

A autoridade de aviação civil francesa determinou a redução de 50% dos voos programados no Aeroporto de Orly, em Paris, e de 30% nos outros aeroportos metropolitanos.

As refinarias de petróleo estão sob bloqueio há uma semana. A falta de abastecimento fechou cerca de um quarto dos postos de gasolina no país e obrigou o governo a retirar combustível de suas reservas, suficientes para três meses de suprimento.

Segundo o correspondente da BBC Gavin Hewitt, o temor da falta de combustível fez com que os franceses corressem para os postos que ainda funcionavam e longas filas se formaram.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.